Citroën C4 Picasso: para quem pensa diferente

Antes de os SUVs/crossovers invadirem nosso mercado, quem procurava um carro para a família costumava optar por peruas ou minivans. Entre as últimas, se destacaram Renault Scénic e Citroën Xsara Picasso. Inovadoras e versáteis, com ampla área envidraçada, espaço de sobra e mimos para a família, elas fizeram muito sucesso. Pouco depois, porém, Ford EcoSport e outros crossovers “aventureiros” lhes roubaram a clientela. A Renault desistiu do Scénic, mas a Citroën seguiu com C3 Picasso e C4 Picasso – e é esse último que chega agora totalmente renovado, rebatizado como Novo C4 Picasso.

Além do novo visual, bem acertado e com linhas futuristas – a dianteira tem LEDs na parte de cima, faróis no centro e luzes de neblina embaixo –, esse Novo C4 Picasso ganhou novas plataforma e mecânica, além de um bom pacote de tecnologia. Agora chegam as versões de cinco lugares, mas até janeiro estreia também o Novo Grand C4 Picasso, de sete lugares. Na cabine, a enorme área envidraçada garante contato com o mundo exterior, o para-brisa “de helicóptero” avança por cima do motorista e pode ser complementado pelo teto de vidro (R$ 2.500).

O acabamento é de primeira, com materiais nobres, painel com tela de 12” configurável (versão Intensive), além de uma central multimídia touchscreen com controles do ar digital bizone (com saídas traseiras) e outras funções, como o sistema de estacionamento automático, câmeras 360o e monitor de ponto cego (opcionais em kit de R$ 4.800). O espaço traseiro é amplo, com três bancos de mesmo tamanho (isofix em todos), assoalho plano e mimos como cortinas retráteis e bandejinhas. Há, ainda, espelhinho para o motorista vigiar as crianças (e um kit multimídia nos encostos, também opcional).

Já o porta-malas tem enorme abertura, bom acesso e acomoda 537 a 630 litros (os bancos traseiros correm), além de ter tampa motorizada opcional (R$ 2.300). A segurança é garantida por seis airbags e pelos controles de estabilidade e tração. Na mecânica, boas novas: no lugar do antigo 2.0 de 143 cv e 20,4 kgfm e do câmbio de quatro marchas, estão o consagrado 1.6 THP de 165 cv e 24,5 kgfm e um câmbio automático de seis marchas com comandos na coluna da direção (liberando espaço entre os bancos para um porta-objetos) e borboletas para trocas. Por ser um motor turbinado, seu torque está disponível a 1.400 rpm, garantindo agilidade (0-100 km/h em 8s4). A direção é elétrica, bem acertada, e as suspensões são confortáveis.

A versão Seduction começa em R$ 110.900, e a Intensive avaliada parte de R$ 117.900 (as versões Grand são R$ 10.000 mais caras). Outros opcionais são os bancos com massagem (dois pacotes: parte em couro, de R$ 4.100, ou todo em couro com ajustes elétricos, de R$ 10.000) e os faróis bixenônio direcionais (R$ 3.000). Completíssimo, esse Novo C4 Picasso sai por R$ 141.840. Nessa faixa de preços, há muitos SUVs e crossovers de porte similar – porém menos práticos, equipados e espaçosos. E aí surge a pergunta: você precisa mesmo de um crossover/SUV? Ou chegou a hora de pensar diferente?

—–

Ficha técnica:

Citroën C4 Picasso Intensive

Preço básico: R$ 110.900
Carro avaliado: R$ 135.940
Motor: 4 cilindros em linha 1.6, 16V, comando variável, turbo, injeção direta
Cilindrada: 1598 cm3
Combustível: gasolina
Potência: 165 cv a 6.000 rpm
Torque: 24,5 kgfm de 1.400 a 4.000 rpm
Câmbio: automático sequencial, seis marchas
Direção: elétrica
Suspensões: pseudo McPherson (d) e eixo de torção (t)
Freios: discos ventilados (d) e discos sólidos (t)
Tração: dianteira
Dimensões: 4,428 m (c), 1,826 m (l), 1,625 (a)
Entre-eixos: 2,785 m
Pneus: 205/55 R17
Porta-malas: 537 a 630 litros (banco corrediço)
Tanque: 57 litros
Peso: 1.405 kg
0-100 km/h: 8s4
Vel. máxima: 210 km/h
Consumo cidade: 9,4 km/l
Consumo estrada: 11,7 km/l
Emissão de CO2: 131 g/km
Nota do Inmetro: C
Classificação na categoria: A (Minivan)

Veja também

+ A biblioteca básica do motociclista cool

+ Tomografia revela que múmias egípcias não são humanas

+ Homem compra Lamborghini após fraude em auxílio emergencial

+ Restaurar um carro: quanto custa e quanto ele pode valorizar