Pedra no sapato


HYUNDAI I30 R$ 59.900 (ESTIMADO)

Depois do grande sucesso do Tucson e do Azera, a Hyundai, com a linha i30, pretende brigar também no segmento de carros médios. Conforme MOTOR SHOW anunciou na edição 302 (maio de 2008), o lançamento do modelo estava previsto para o Salão do Automóvel de São Paulo, mas segundo a montadora houve uma mudança de planos, provavelmente devido à crise financeira e ao aumento do dólar em relação ao real. Por isso, o veículo só estará disponível para o consumidor brasileiro no primeiro trimestre de 2009. Mesmo assim, quem foi ao Salão pôde conferir de perto o i30 nas versões hatch e perua.

Equipada com câmbio automático de quatro velocidades e motor 2.0 16V a gasolina, a i30 CW promete chegar oferecendo um belo pacote de itens de série por um valor bem mais em conta do que as principais concorrentes. Apenas para se ter idéia, nesta lista estão equipamentos como seis airbags, ar-condicionado digital, disqueteira para seis CDs com conexão USB, adaptador para iPod e comandos no volante, controle de estabilidade (EPS), computador de bordo, freios a disco nas quatro rodas com ABS e EBD, encostos de cabeça ativos, teto solar, retrovisor interno com escurecimento automático, volante com regulagem de altura e profundidade, porta-luvas refrigerado, retrovisores rebatíveis eletricamente e bancos em couro, entre outros. Ou seja, uma perua completa que, de acordo com a Hyundai, chegará ao Brasil custando pouco menos de R$ 60 mil. Por esse valor, será sem dúvida uma grande pedra no sapato de Toyota Fielder, Renault Mégane Grand Tour e Peugeot 307 SW, já que a mais barata deste grupo, a Mégane, na configuração de entrada (e com câmbio manual), é vendida por R$ 61.481.

Assim como o custo/benefício, a dirigibilidade do novo modelo é muito boa. Sua suspensão é bastante macia e o propulsor de dois litros, que desenvolve 143 cv e 18,9 kgfm de torque, cumpre bem seu papel. As trocas do câmbio automático, apesar de ele ter apenas quatro marchas, são quase imperceptíveis, proporcionando bastante suavidade ao modelo.

Internamente é possível dispor de bastante conforto, proporcionado pelos itens de série, e espaço – resultado da boa distância entreeixos de 2,70 metros. A posição de dirigir e a ergonomia do painel, com desenho que foge do comum, também agradam.

Acima, o painel de linhas inusitadas e o interior com ampla lista de itens de conforto e de segurança. À esquerda, de cima para baixo: portamalas com amplo acesso, motor 2.0 a gasolina (há estudos para torná-lo flex), rodas de liga leve e retrovisor com luzes de direção integradas. No alto da página, a dianteira, que é igual à do hatch

A princípio, a i30 CW só estará disponível em sua configuração mais completa, como a desta versão avaliada. Mas a marca não descarta a possibilidade de trazer a versão com câmbio manual e a opção de propulsor de 1,6 litro. Tudo vai depender da aceitação do consumidor tupiniquim, que já foi testada com a exposição do modelo no Salão no mês passado. E, segundo nossas fontes, os resultados foram positivos.

Com tantas virtudes e preço baixo, esta perua tem tudo para incomodar bastante a concorrência. Nada diferente da política agressiva de preços aplicada, com sucesso, na comercialização do Tucson e Azera. Agora basta esperar seu lançamento. E torcer para o dólar voltar ao patamar dos R$ 2, R$ 2,10. Se a alta da moeda americana persistir, o preço pode subir – ou as vendas podem ser adiadas novamente.

Veja também

+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Baleia jubarte quase engole duas mulheres em caiaque; veja o vídeo
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel