Avaliação: o pequeno e cumpridor Suzuki Jimny

O Suzuki Jimny é o mais barato “jipinho” do mercado brasileiro. Tem tração 4x4, anda bem na cidade e na terra e cabe em qualquer garagem. Rodamos na versão 4Sport

Esqueça as notas. Nosso critério de avaliação para carros comuns não pode ser totalmente considerado quando falamos do Suzuki Jimny. Afinal, ele tem um porta-malas minúsculo (113 litros) e a potência específica do motorzinho 1.3 (85 cv) é de apenas 64 cavalos/litro. Mesmo assim, o Jimny é um carrinho encantador. Excelente para o fora-de-estrada e bom também na cidade. Na estrada de asfalto, aí sim, ele sofre, pois é muito alto e está longe de ser confortável.

Para conhecer a linha 2018, rodamos com o Jimny 4Sport, que custa R$ 6.000 a mais que a versão básica. Ele traz rodas mais bonitas (aro 15, com pneus ATR) e bancos com revestimento de couro. Ele também oferece um snorkel opcional, para quem quiser andar dentro d’água. Os Jimny 4Sport e 4Work Off-Road custam R$ 71.990; o 4All e o 4Work saem por R$ 65.990. Faz décadas que a Suzuki encanta o mundo com seus pequenos utilitários esportivos, também chamados de “jipinhos” no Brasil. O Jimny foi lançado no Japão em 1965 e desde 2012 é produzido no Brasil. Ele já teve mais de 2,5 milhões unidades vendidas em 188 países.

Fazia tempo que não andávamos no Jimny. E ele surpreendeu positivamente. Na cidade, no modo 2WD (tração traseira), o carrinho mostra uma desenvoltura digna dos melhores carros urbanos. Seu raio de giro é de apenas 4,9 metros. A potência e o torque dão conta do recado (o motor de alumínio tem comando de válvulas variável), a posição de dirigir (bem alta) é muito boa, a visibilidade agrada, os bancos são confortáveis e o ruído é bem menor do que esperávamos. O Jimny reúne a agilidade de um subcompacto com a robustez de um SUV.

Os engates de marcha são fáceis e a simplicidade dos comandos agrada. O grande atrativo do Jimny, porém, é seu preço: simplesmente não existe outro “jipinho” 4×4 genuinamente off-road tão em conta como ele no mercado. Para se ter uma ideia, o Troller T4 parte de R$ 124.890. Ele também tem ar-condicionado, direção hidráulica, vidros elétricos, rádio AM/FM, CD player com MP3, USB e bluetooth. Mas o verdadeiro habitat do Suzuki Jimny é o fora-de-estrada. E nesse quesito ele dá um show.

Seu sistema drive action 4×4 é acionado por três grandes botões no painel e permite até 15 combinações de marcha: além do 2WD (melhor para rodar na cidade), ele tem o modo 4WD com tração nas quatro rodas e 4WD-L, reduzida, que dobra o torque e faz o carro encarar diversos obstáculos. O modo de tração pode ser modificado com o carro rodando até 100 km/h. As suspensões são independentes. Ao contrário do Troller T4, que é feito de fibra, o Suzuki Jimny tem uma carroceria que lhe dá muito mais segurança – permite, por exemplo, vir equipado com airbags. Outro item importante de segurança são as barras de proteção laterais, coluna de direção retrátil em caso de colisão e encostos de cabeça ajustáveis para os quatro ocupantes.

Visualmente o Jimny também encanta. Sua frente é única. Ele tem tomadas de ar no capô e molduras em cinza grafite nas caixas de roda e nas laterais. Os freios a disco têm as pinças posicionadas no alto para facilitar a passagem em trechos alagados. Os ângulos de entrada e de saída são de 41º e 44º, respectivamente. Como se vê, não estamos falando apenas de um carrinho bonito. O Jimny traz muita tecnologia sob seu design charmoso.


Ficha técnica:

Suzuki Jimny 4Sport

Preço básico: R$ 65.990
Carro avaliado: R$ 71.990
Motor: 4 cilindros em linha 1.3, 16V, comando de válvulas variável
Cilindrada: 1328 cm3
Combustível: gasolina
Potência: 85 cv a 6.000 rpm
Torque: 11,2 kgfm a 4.100 rpm
Câmbio: manual, cinco marchas
Direção: hidráulica
Suspensões: independentes com eixo rígido (d/t)
Freios: disco sólido (d) e tambor (t)
Tração: traseira (com opções 4×4 e 4×4 reduzida)
Dimensões: 3,645 m (c), 1,600 m (l), 1,705 m (a)
Entre-eixos: 2,250 m
Pneus: 205/70 R15)
Porta-malas: 113 litros (330 kg)
Tanque: 40 litros
Peso: 1.090 kg
0-100 km/h: 14s1
Velocidade máxima: 140 km/h
Consumo cidade: 10,3 km/l
Consumo estrada: 10,4 km/l
Emissão de CO2: 129 g/km
Nota do Inmetro: C
Classificação na categoria: A (Fora-de-Estrada)

Veja também

+ A biblioteca básica do motociclista cool
+ Tomografia revela que múmias egípcias não são humanas
+ Homem compra Lamborghini após fraude em auxílio emergencial
+ Os 20 carros 1.0 mais econômicos do mercado brasileiro
+ Restaurar um carro: quanto custa e quanto ele pode valorizar