Perua com preço de crossover

Roberto Assunção

A vida da VW Space Cross não está moleza. O motivo? Seu preço. A perua parte de R$ 69.690, podendo ir a R$ 81.916 com todos os equipamentos, pintura perolizada e câmbio automatizado I-Motion. Com praticamente o mesmo valor, você leva um Honda HR-V EX (R$ 80.400) ou um Jeep Renegade Longitude (R$ 80.990). Além disso, o Volks ainda é mais caro se comparado ao Peugeot 2008 Griffe THP – equipado com um empolgante motor 1.6 turbo flex de 173 cv de potência com etanol. Como a proposta da Space Cross é “aventureira”, é natural que o consumidor a compare com verdadeiros crossovers.

Sendo assim, o modelo recebeu uma atualização visual, além de novos itens tecnológicos. A dianteira teve mudanças no capô, no desenho dos faróis, na grade do radiador com inscrição Space Cross e no para-choque exclusivo. Os faróis auxiliares têm duas funções: neblina e longo alcance. Na lateral, existem apliques em “chrome effect”, molduras das caixas de rodas pronunciadas e barras de teto longitudinais. Já na traseira aparece o para-choque revisto e as lanternas escurecidas. Com o exterior atualizado, o interior também recebeu atenção, mas sem perder seus atributos, como a posição de dirigir e os comandos bem posicionados.


A perua Space Cross mudou e tem um painel bastante agradável para o motorista. O velocímetro e o conta-giros têm ótima leitura, o sistema multimídia manteve o padrão e o câmbio automatizado de cinco velocidades melhorou um pouco. As rodas de liga leve têm aro 15 e são itens de série

O acabamento usa materiais sensíveis ao toque e texturizados. Já o volante multifuncional passa a ser o mesmo do Golf, com boa empunhadura e base achatada. As pedaleiras de alumínio estão disponíveis somente nessa versão aventureira. O motor 1.6 MSI é novidade e tem bloco e cabeçote de alumínio, duplo comando de válvulas (variável na admissão) e sistema que dispensa o tanquinho de partida a frio. São 120 cv de potência e 16,8 kgfm de torque – 85% disponível já a 2.000 rpm –, garantindo boas acelerações e retomadas. A versão avaliada foi a I-Motion de cinco marchas. O software dessa caixa foi atualizado. Contudo, dirigindo esportivamente, os “trancos” aparecem, devido à embreagem simples.

Se você optar por esse estilo de condução, é melhor utilizar as borboletas. As suspensões da Space Cross são erguidas em relação às demais versões. O conjunto absorve bem as irregularidades do piso. O ABS com off-road diminui o espaço de frenagem em pisos não pavimentados. Essa perua é equipada com controle de estabilidade e de tração, bloqueio eletrônico do diferencial, assistente de partida em rampa e assistência à frenagem. A VW Space Cross tem muitos atributos: na dirigibilidade, na dinâmica e no espaço interno. Só podia pesar menos no bolso.

—–

Ficha técnica:

Volkswagen Space Cross 1.6 I-Motion

Motor: 4 cilindros em linha, 16V, comando variável
Cilindrada: 1598 cm3
Combustível: flex
Potência: 110 cv a 5.750 (g) e 120 cv de 5.800 (e)
Torque: 15,8 kgfm a 4.000 rpm (g) e 16,8 kgfm a 4.000 rpm (e)
Tração: dianteira
Direção: elétrica
Dimensões: 4,205 m (c), 1,663 m (l), 1,590 m (a)
Entre-eixos: 2,469 m
Pneus: 205/55 R15
Porta-malas: 440 litros
Tanque: 50 litros
Peso: 1.189 kg 0-100 km/h: 11s4 (g) e 10s8 (e)
Velocidade máxima: 182 km/h (g) e 189 km/h (e)
Consumo cidade: 10,3 km/l (g) e 7,3 km/l (e)
Consumo estrada: 11,3 km/l (g) e 7,9 km/l (e)
Nota do Inmetro: A (categoria Utilitário Esportivo Compacto)