Pimenta com gostinho de quero mais

Roberto Assunção

O Fiat Bravo recebeu um visual reformulado e também uma injeção de conteúdos tecnológicos. Por fora, a dianteira tem novo para-choque com uma barra em “V” na porção inferior, a grade redesenhada e novas molduras dos faróis de neblina. Na traseira, as novidades estão no contorno das lanternas em preto, no para-choque com linhas mais esportivas, no logotipo revisto e posicionado logo embaixo do vidro e no spoiler de série. O visual traz novas rodas de liga leve, minissaias e faixas laterais.

O interior mudou e a cabine estreou nova iluminação em branco nos comandos e o quadro de instrumentos ganhou uma nova grafia. Outra novidade está na central multimídia UConnect com tela de 5” sensível ao toque, disponível para todas as versões – Essence, Sporting, T-Jet e Black Motion (leia mais no quadro ao lado) e na câmera de ré. O navegador por GPS é opcional e está disponível de fábrica somente na Black Motion.
  
Sem dúvida, a versão T-Jet (avaliada) é a mais divertida da gama Bravo. Tudo “culpa” do motor 1.4 turbo a gasolina de 152 cv de potência, que não recebeu qualquer mudança na linha 2016. Essa unidade tem as bielas e o virabrequim forjados. O turbo IHI trabalha com 1,3 bar de pressão máxima. Em baixas rotações, o carro apresenta um pequeno lag. Contudo, nada que tire o brilho da mecânica. A partir das 2.200 rpm aparecem respostas vigorosas e o 1.4 mostra toda a sua força – a relação peso-potência é de 9,4 kg/cv.

Para deixar tudo ainda mais empolgante, o botão OVB (Overboost), quando acionado, mexe na rigidez do volante, na curva do acelerador, na pressão do turbo e envia quase 2 kgfm a mais de torque a mais – passando de 21,1 para 23,0 kgfm. Assim como, o VW Golf Comfortline (versão de entrada), o Fiat Bravo T-Jet também utiliza um câmbio manual de seis marchas.

As suspensões têm ajuste rme e são as mesmas utilizadas pelas versões Sporting e Black Motion. O conjunto ltra e absorve bem as imperfeições do piso, além de cooperar na dinâmica do carro. Já os freios estão bem calibrados a potência do carro (152 cv). O sistema usa discos dianteiros ventilados com 281 mm de diâmetro, enquanto os discos sólidos traseiros têm 251 mm. As rodas aro 17 vestem pneus de medidas 215/45.

O Bravo T-Jet é uma opção interessante frente aos concorrentes Ford Focus, Chevrolet Cruze Sport6 e o já citado VW Golf 1.4. O novo visual veio em boa hora, mas é o conjunto mecânico do Fiat, que faz do Bravo uma opção para quem gosta de um esportivo empolgante e bom de dirigir. Assim como, eram os saudosos Fiat Uno Turbo, Marea Turbo e Stilo Abarth.