Quando quatro poderia ser seis

Pedro Bicudo

Peugeot 2008 Automático proporciona conforto, espaço para os ocupantes e boa dinâmica. Claro que o seu desempenho não é como das versões Griffe THP (Turbo High Pressure) – dotada de motor 1.6 turbo de 165/173 cv de potência (gasolina/etanol). Embora não seja tão “radical”, esse 2008 oferece bom fôlego e seu 1.6 aspirado desenvolve 115/122 cv. Quem tira o brilho do desempenho é a transmissão automática de quatro marchas – a mesma do hatch 208 Griffe automático, mas com calibração específica para o crossover 2008. De acordo com a Peugeot, a caixa de seis velocidades não foi escolhida por duas razões.

Primeira: ela não ofereceria um preço competitivo, já que as versões automáticas corresponderão por 70% do mix de vendas. Segunda: o 2008 é feito em Porto Real (RJ) usando a plataforma 1 do 208, o que exigiria várias modificações para encaixar o câmbio de seis marchas. Avaliamos o 2008 em diferentes condições na Bahia (BA). Essa caixa de quatro velocidades demora um pouco para realizar as reduções e as mudanças sequenciais são feitas pelas borboletas atrás do volante. Na estrada, rodando a 120 km/h com a quarta marcha engatada, o ponteiro do conta-giros marcava  3.000 rpm.


No crossover 2008 o volante é mais baixo, o freio de estacionamento (abaixo, à esq.) tem um formato diferente, a alavanca do câmbio é cromada e os instrumentos são visíveis e acessíveis

E como duas marchas a mais fazem falta! Elas ajudariam a melhorar o gasto de combustível e também diminuir o ruído do motor dentro da cabine. Com o botão Eco acionado, que prioriza o consumo, a média rodoviária foi de 8,2 km/l pelo computador de bordo (etanol). Comparado ao modelo europeu, o 2008 fabricado no Brasil traz algumas alterações. Entre elas, a tomada de ar frontal revista, para ajudar na refrigeração do motor 1.6, e o para-choque dianteiro com maior ângulo de entrada (22,2 graus), que cooperou ao passar por trechos mais acidentados no fora de estrada.

A suspensão foi erguida em 1 cm para o nosso piso e o conjunto tem um dos melhores acertos já feitos pela Peugeot. Ele ajuda na dinâmica e deixa a carroceria rolar minimamente nas curvas, além de trabalhar de modo silencioso, absorvendo e filtrando muito bem as imperfeições do piso. As rodas de liga leve são aro 16 com pneus de uso misto. A direção tem assistência elétrica e seu ajuste também foi alterado para o mercado brasileiro. Ela é leve ao esterço, mas também direta e precisa, ajudando na condução esportiva. 

Por dentro, a cabine desse 2008 Griffe tem atenção aos detalhes, com posição de dirigir elogiável, bancos revestidos de couro e de tecido, detalhes internos cromados, teto panorâmico, acendimento automático dos faróis, sensor de chuva e de estacionamento dianteiro. Embora recheado de série e bom de guiar, para o 2008 automático ficar completo falta a transmissão de seis velocidades. De resto, esse crossover está perfeito!

—–

Ficha técnica:

Peugeot 2008 Griffe 1.6 Aut.

Motor: 4 cilindros em linha, 16V, comando variável (admissão)
Cilindrada: 1598 cm3
Combustível: flex
Potência: 115 cv a 6.000 (g) e 122 cv de 5.800 (e)
Torque: 15,5 kgfm a 4.000 rpm (g) e 16,4 kgfm a 4.000 rpm (e)
Câmbio: quatro marchas, automático
Tração: dianteira
Direção: elétrica
Dimensões: 4,159 m (c), 1,739 m (l), 1,583 m (a)
Entre-eixos: 2,542 m
Pneus: 205/60 R16
Porta-malas: 355 litros
Tanque: 55 litros
Peso: 1.236 kg 0-100 km/h: 13s2 (g) e 11s9 (e)
Velocidade máxima: 171 km/h (g) e 177 km/h (e)
Consumo cidade: 9,4 km/l (g) e 6,8 km/l (e)
Consumo estrada: 11,0 km/l (g) e 7,9 km/l (e)
Nota do Inmetro: B (categoria Utilitário Esportivo Compacto)