Avaliação: Honda City é carro racional, mas com sabor salgado


As mudanças do Honda City LX 2016 foram poucas e podem passar despercebidas pelos consumidores, de tão discretas. Afinal, as novidades dessa configuração aparecem apenas nas maçanetas internas cromadas e nos comandos de áudio no volante. De resto, tudo igual. Essa versão LX custa R$ 69.000 e continua tendo preço salgado pelo que oferece – seu motor 1.5 tem 115/116 cv (gasolina/etanol). Por valor semelhante é possível levar um Hyundai HB20S Premium (R$ 68.895) com motor 1.6 de 122/128 cv, câmbio automático de seis marchas, bancos de couro, airbags laterais e central multimídia (tela de 7” sensível ao toque).

O visual vincado do Honda até sugere uma esportividade, porém o City é um carro sem emoção. Dependendo do ponto de vista, racional até demais. O motor 1.5 16V associado à transmissão CVT (continuamente variável) transmite um desempenho apenas suficiente. Na cidade, como seu próprio nome sugere, o City vai bem e garante certa agilidade nos deslocamentos urbanos. Entretanto, na estrada é preciso acelerar um pouco a mais para ganhar velocidade ou realizar uma ultrapassagem.

Em ambas as situações, o ruído do propulsor invade a cabine e rouba um pouco do conforto acústico. Outro barulho perceptível vem do trabalho das suspensões, ao absorver determinadas imperfeições do asfalto. Mesmo não tendo uma dirigibilidade empolgante, as armas do City para fisgar os consumidores estão no espaço interno e no porta-malas volumoso. Quem viaja atrás encontra bom espaço para as pernas e para a cabeça. O compartimento de cargas têm 485 litros, mais 51 litros extras abaixo do assoalho.

Ao todo, são 536 litros. Portanto, ele é maior do que o bagageiro dos Honda HR-V (437 litros) e Accord (506). Mas os fãs de tecnologia vão se decepcionar com o rádio simples presente no City LX. Menos mal que o equipamento oferece bluetooth e função de streaming de áudio. A central multimídia com tela de 7” está disponível somente na versão topo de linha EXL (R$ 79.800). No final das contas, essa configuração LX poderia ter preço menor para ser mais competitiva.

—–

Ficha técnica:

Honda City LX

Preço básico: R$ 59.400
Carro avaliado: R$ 69.000
Motor: 4 cilindros em linha 1.5, 16V, comando variável
Cilindrada: 1497 cm3
Combustível: flex
Potência: 115 cv a 6.000 rpm (g) e 116 cv a 6.000 rpm (e)
Torque: 15,3 kgfm a 4.800 rpm (g/e)
Câmbio: automático CVT (continuamente variável)
Direção: elétrica
Suspensões: independente (d) e eixo de torção (t)
Freios: discos ventilados (d) e tambor (t)
Tração: dianteira
Dimensões: 4,455 m (c), 1,485 m (l), 1,695 m (a)
Entre-eixos: 2,600 m
Pneus: 185/55 R16
Porta-malas: 485 litros (sendo 51 litros abaixo da tampa do assoalho)
Tanque: 46 litros
Peso: 1.520 kg
0-100 km/h: não disponível
Velocidade máxima: não disponível
Consumo cidade: 12,3 km/l (g) e 8,5 km/l (e)
Consumo estrada: 14,5 km/l (g) e 10,3 km/l (e)
Emissão de CO2: 101 g/km
Nota do Inmetro: A
Classificação na categoria: A (médio)