Recusa do bafômetro gera 87% das multas em blitze de SP; veja o que acontece

De um total de 392 infrações registradas, 344 envolveram esse tipo de infração

0
1
Foto: Divulgação

Um levantamento realizado pelo Departamento Estadual de Trânsito do Estado de São Paulo (Detran-SP) revela que 87% das multas aplicadas em novembro deste ano durante fiscalizações da Operação Direção Segura Integrada (ODSI) foram dadas a motoristas que se recusaram a fazer o teste do etilômetro.

De um total de 392 infrações registradas, 344 envolveram esse tipo de infração. Na capital paulista, esse percentual sobe para 99%. Dos 109 motoristas autuados na cidade de São Paulo, 108 não aceitaram se submeter ao bafômetro.


+ CNH: 50 mil em SP solicitaram mudança de categoria em 2021; saiba como fazer
+ CNHs vencidas (março e abril de 2020) devem ser renovadas esse mês
+ Licenciamento: dezembro é o mês de placas terminadas em 0

As blitze integram equipes do Detran-SP e das polícias Militar, Civil e Técnico-Científica. No total, foram aplicados 6.531 testes em 21 municípios paulistas por meio das ações, que visam a prevenção e redução de acidentes e mortes no trânsito causados pelo consumo de álcool combinado com direção.

Ao todo, foram realizadas 24 fiscalizações em novembro durante as noites de sexta, sábado e madrugadas de domingo nas cidades de São Paulo, Araraquara, Barretos, Santos, Limeira, Bauru, Bady Bassit, Guarujá, Itatiba, Pindamonhangaba, Fernandópolis, Mogi das Cruzes, Ribeirão Preto, Birigui, Sertãozinho, São Bernardo do Campo, Novo Horizonte, Bauru, São Roque, Mongaguá e Guaratinguetá.

Multa e pena

Segundo o Detran-SP, os 344 motoristas autuados por recusa ao teste do bafômetro serão multados, cada um, no valor de R$ 2.934,70 e responderão a processo de suspensão da carteira de habilitação. No caso de reincidência no período de 12 meses, a pena será aplicada em dobro, ou seja, R$ 5.869,40, além da cassação da CNH.

O mesmo ocorrerá com os 32 condutores (8,3% do total das multas aplicadas) que apresentaram até 0,33% miligramas de álcool por litro de ar expelido e responderão a processo administrativo. Tanto dirigir sob a influência de álcool quanto recusar-se a soprar o bafômetro são consideradas infrações gravíssimas.

Já os oito condutores autuados (2% do total das infrações) por embriaguez ao volante que apresentaram mais de 0,34% miligramas de álcool por litro de ar expelido responderão na Justiça por crime de trânsito. Se condenados, poderão cumprir de seis meses a três anos de prisão, conforme prevê a Lei Seca, também conhecida como “tolerância zero”.

MAIS NA MOTOR SHOW:

+ Eletricz lança bike elétrica no Brasil com até 160 km de autonomia
+ Range Rover Evoque volta a ser produzido no Brasil; veja os preços
+ Qual é a melhor versão do Jeep Compass 2022?
+ Kombi de 1987 é transformada em camper como presente para esposa
+ Veja como verificar a pintura de um seminovo na hora da compra
+ Avaliação: Jeep Commander é, sim, um Compass aumentado (e não há problema nenhum nisso)
+ Teste especial: VW Golf GTI 2022 e sua fórmula mágica (teste na pista e todas as gerações comparadas)
+ Ferrari Testarossa (1987) de Elton John vai a leilão; veja os detalhes
+ FlixBus inicia suas atividades com viagens de ônibus a partir de R$ 19,90
+ Avaliação: Hyundai Creta 2022 arrisca no visual, mas se destaca pelo motor
+ Avaliação: Audi RS e-tron GT pode soar falso, mas é ridiculamente rápido
+ Avaliação: Ford Mustang Mach 1 é o melhor esportivo para comprar hoje