Reportagens

BMW K 1300 R R$ 72.000 (ESTIMADO)

A cada nova geração, a linha de motos K, da BMW, ganha um motor maior e mais potente. Esta K 1300 R foi apresentada ao mundo em outubro passado, no Salão de Colônia (Alemanha), quando a linha K completava 25 anos de história. Tudo começa em 1983, com o lançamento da primeira moto BMW quatro cilindros, a K100, com 1.000 cm3 e potência de 90 cv.

Em 1991, o motor cresce para 1.100 cm3, com potência de 110 cv.

Cinco anos depois, o motor cresce mais uma vez, para 1.200 cm3, o que rende mais 30 cv de potência. Em 2004, é lançada a primeira naked da marca, a K 1200 R, com 163 cv. Finalmente, agora chega ao Brasil a K 1300 R, com 1.300 cm3 e 173 cv – a naked mais potente já produzida pela marca.

Em potência, ela só perde para a versão com carenagem, a K 1300 S, dois cavalos mais potente.

Além desta naked e da versão carenada, a nova linha começa a ser vendida também na configuração GT, “estradeira”, com porta-bagagem, regulador de velocidade e aquecimento nos bancos. Mas em termos de design, as motos naked são mais agressivas – gostam de expor, com muita vaidade, seus poderosos motorzões, de fazer inveja às outras.

Para se ter uma ideia do que representa esta potência toda sobre duas rodas, basta ver sua relação entre potência e peso. Cada cavalo do motor desta BMW empurra apenas 1,40 kg (são 243 kg no total).

Para efeito de comparação, em um Porsche 911 Turbo – que acelera de 0 a 100 km/h em 3,9 segundos – são 3,30 kg/cv, ou seja, cada cavalo do motor, tem que empurrar 3,3 kg. Mais que o dobro. O resultado é um desempenho de tirar o fôlego: aceleração de zero a 100 km/h em menos de três segundos e máxima bem acima dos 200 km/h (a marca não divulga dados oficiais).

Destaque para a transmissão de força por cardã, mais silenciosa e durável que as correntes usadas na maioria das rivais. A suspensão também foi aprimorada: ficou mais baixa que a do modelo anterior na dianteira, o que aumentou seu entreeixos, e conta com um novo sistema opcional de controle eletrônico (ESA II), o primeiro no mundo para uma moto, capaz de regular a rigidez do sistema ao toque de um botão. Outro opcional interessante é o HP Gearshift Assistant (assistente de troca de marchas). Para um desempenho máximo, o sistema de câmbio eletroassistido troca as marchas sem que o motociclista precise ativar a embreagem ou interromper a aceleração. O novo painel de instrumentos digital vem com um modo de corrida (Racing Mode), que registra informações como tempo de volta, velocidade máxima do motor e número de trocas de marchas. Ideal para quem quer “brincar” de piloto.

Com 173 cv a K 1300 R, naked mais potente já produzida pela BMW, chega para brigar com a Suzuki B-King

O preço oficial da K 1300 R ainda não foi divulgado, mas deve ficar na faixa dos R$ 72 mil. A principal concorrente desta BMW K 1300 R é a Suzuki B-King, que avaliamos na MOTOR SHOW de junho passado.

Vendida por cerca de R$ 69 mil, a japonesa, além de mais barata, é 10 cv mais potente e tem 0,6 kgfm a mais de torque – páreo duro para a BMW.

Modelo tem controle eletrônico de rigidez da suspensão, que é acionado pelo piloto com o toque em um botã

o

 

Veja também

+ A biblioteca básica do motociclista cool

+ Tomografia revela que múmias egípcias não são humanas

+ Homem compra Lamborghini após fraude em auxílio emergencial

+ Restaurar um carro: quanto custa e quanto ele pode valorizar