Carros elétricos e híbridos no Brasil: o que pensam as montadoras

Realizamos uma pesquisa com todos os fabricantes de automóveis instalados no Brasil sobre a eletrificação dos automóveis. Saiba o que pensam e o que querem cada uma delas sobre a produção de carros elétricos e híbridos em nosso mercado

33329
Nissan Leaf: o carro será vendido no Brasil a partir de 2019 e a marca é líder mundial na venda de carros elétricos.

Carros elétricos e híbridos são uma realidade na Europa, no Japão e nos Estados Unidos. Nos últimos salões de Frankfurt, Tóquio e Detroit a grande maioria das montadoras deixou claro que o futuro começou. Novas tecnologias estão chegando e algumas já anunciaram que não lançarão mais modelos com motores de combustão interna dentro de alguns anos. Mas, e no Brasil? O País será apenas expectador de uma revolução na indústria automobilística ou poderá participar ativamente desse processo dentro de algum tempo?

Para responder a essa questão, fizemos uma pesquisa com todos os fabricantes de automóveis que operam no Brasil e têm potencial para produzirem carros elétricos e híbridos. Sabemos que dentro da Anfavea – associação que reúne os fabricantes – o tema carros elétricos e híbridos não é uma unanimidade, embora todos falem a mesma língua quando tentam convencer o governo de que o programa Rota 2030 é o ideal para substituir o Inovar-Auto, que termina no dia 31 de dezembro.

Tecnologia para produzir carros elétricos e híbridos todas elas têm, em termos globais. Porém, umas estão mais avançadas do que as outras. O que não quer dizer que a estratégia que vale para a Europa, Ásia ou América do Norte valha também para o Brasil. Para além dos problemas de infra-estrutura que persiste no País, algumas montadoras estão mais preocupadas em conseguir reduções de impostos por meio da melhoria da eficiência energética de seus motores a combustão. Dessa forma, mesmo com tecnologias de ponta lá fora, defendem um avanço bem lento da indústria brasileira na questão da eletrificação.

Outras preferem ir mais rápido. Talvez por não terem a eficiência de outras com motores turbo, por exemplo. Querem que o mercado de carros elétricos e híbridos seja formado já. Apontam para a incoerência que é cobrar 25% de IPI de carros eletrificados, que não poluem, enquanto modelos 1.0, não necessariamente eficientes, pagam apenas 7%. No campo dos híbridos, a Toyota já está construindo um mercado para o Prius Hybrid, mas paga 13% de IPI por conta de seu motor 1.8 a gasolina. Já a Nissan pretende comercializar de fato seu modelo Leaf, o carro elétrico mais vendido do mundo, a partir de 2019. E a Volkswagen quer trazer o quanto antes duas versões de seu carro de maior sucesso mundial, uma elétrica, o e-Golf, e uma híbrida, o Golf GTE.

É um jogo no qual muitos interesses estão colocados à mesa, pois o mercado brasileiro ainda tem um potencial gigantesco para a indústria automobilística e voltou a crescer este ano. Por isso, na tentativa de conhecer a posição de cada fabricante e de evitar posições dúbias, fizemos duas perguntas para todas elas – devidamente “amarradas” para evitar um discurso agradável para a opinião pública, mas não necessariamente sincero.

Toyota Prius, já à venda no Brasil: a montadora diz que hoje existe uma distorção, pois carros elétricos e híbridos pagam alíquota maior mesmo sendo mais eficientes.

Veja a seguir as perguntas e as respostas relativas a cada marca que poderia ter carros elétricos e híbridos produzidos no Brasil.

Pergunta 1

A empresa é a favor ou contra a redução imediata de IPI para carros elétricos e híbridos (para um nível inferior aos 7% cobrados para carros 1.0) dentro do programa Rota 2030? Por que?

AUDI – Não respondeu.

BMW – “Para o BMW Group, o futuro está claro. Será eletrificado, compartilhado, autônomo e conectado. Somos a favor de uma política competitiva para veículos elétricos e híbridos no Brasil, que não pode se basear em custo para o cliente final ou pagar imposto maior do que veículos com grandes motores a combustão. Nossos carros são os mesmos no Brasil, Estados Unidos e Europa e acreditamos que o cliente brasileiro merece a melhor tecnologia disponível no mercado como o cliente BMW em qualquer outra parte do mundo.” (Gleide Souza, Diretora de Relações Governamentais, BMW Group Brasil)

CHEVROLET – “A General Motors anunciou recentemente como está executando em um importante passo para a sua visão de um mundo com zero acidentes, zero emissões e zero congestionamento apresentado pela presidente e CEO da GM, Mary Barra. A GM está preparada para esse futuro com zero acidentes, zero emissões e zero congestionamento seja com o Bolt EV, outros novos modelos 100% elétricos, Maven (car-sharing), Lyft (ride-sharing), carros autônomos, entre outras soluções de mobilidade urbana. Nos próximos 18 meses, a GM apresentará dois novos veículos totalmente elétricos baseados nos aprendizados com o Chevrolet Bolt EV. Eles serão os primeiros de pelo menos 20 novos veículos totalmente elétricos que serão lançados até 2023. E quando falamos de veículos elétricos, estamos falando de modelos que não utilizam nenhum tipo de combustível fóssil, como é o Chevrolet Bolt EV. Carros totalmente elétricos (e não híbridos) devem ter um IPI de 2% justamente por não utilizarem nenhum tipo de combustão ou terem qualquer emissão de gases poluentes.” (Julia Bastos, Corporate Communications, General Motors Mercosul)

Chevrolet Bolt EV: a GM defende IPI de apenas 2% para os 100% elétricos, pois considera que carros elétricos e híbridos mão podem ter o mesmo tratamento, uma vez que só os EV não têm qualquer emissão de gases poluentes.

CITROËN – Não respondeu.

FIAT E JEEP – “A Fiat Chrysler FCA detém inúmeras tecnologias de última geração que, dependendo do cenário, podem ser aplicadas. Inclusive em relação à hibridização ou eletrificação de modelos, a exemplo do Fiat 500e ou da Chrysler Pacifica. Isso nos dá liberdade de trabalharmos de maneira competitiva em relação ao mercado, com produtos atualizados para nossos clientes e respeito ao meio ambiente.” (Ricardo Dilser, Comunicação Corporativa e Motorsport, FCA Latam)

FORD – Não respondeu.

HONDA – “Somos favoráveis, mas é importante que o governo elabore uma política de longo prazo com uma visão estratégica e bem definida de qual matriz energética será adotada pelo País nos próximos anos.” (Paulo Takeuchi, Diretor Executivo de Relações Institucionais, Honda South America)

Honda Urban EV: o fabricante japonês se diz favorável a um mercado para carros elétricos e híbridos, mas acha importante que o governo elabore uma política de longo prazo com uma visão estratégica.

HYUNDAI BRASIL – “A Hyundai Motor Brasil não responde individualmente. Este tema deve ser comentado pela Anfavea, por se tratar de uma decisão que afeta todas as montadoras e faz parte das discussões da Rota 2030.” (Karina Craveiro, CDN Comunicação, Hyundai Motor Brasil)

HYUNDAI CAOA – Não respondeu.

JAGUAR E LAND ROVER – “A Jaguar Land Rover já anunciou globalmente que a partir de 2020 oferecerá opções híbridas e elétricas para todos os seus lançamentos, portanto podemos confirmar que temos, claro, interesse em legislação específica para esse tipo de motorização.” (Gabriel Patini, Diretor de Marketing e Produto, Jaguar Land Rover América Latina)

MERCEDES-BENZ – “Os ‘veículos verdes’ serão uma realidade no mercado brasileiro e entendemos ser necessária a redução do IPI, com o objetivo de estabelecer alíquotas proporcionais para elétricos, híbridos e híbridos plug-in. Atualmente a porcentagem para elétricos é de 25%. Se reduzirmos esse valor para menos de 7%, será viável pensar em um mercado de volume para essa categoria. Uma vez que automóveis elétricos forem atrativos para o consumidor, por meio de tributação exclusiva, a indústria conseguirá disseminar essa cultura no País e estimular que cada vez mais pessoas conheçam e testem esse segmento. Além disso, o aumento da frota de elétricos teria um impacto significativo para contribuir com as metas da Rota 2030.” (Luiz Carlos Moraes, Diretor de Comunicação e Relações Institucionais,  Mercedes-Benz do Brasil)

Mercedes-Benz EQA: a montadora de Stuttgart diz que os “veículos verdes” serão uma realidade no mercado brasileiro e, por isso, é necessária a redução do IPI para carros elétricos e híbridos.

MITSUBISHI E SUZUKI – “Sim. A alíquota atual para carros elétricos é de 25%, enquanto os híbridos são taxados conforme a cilindrada do motor a combustão (7 % a 25%); entendemos que os elétricos devem ter alíquotas minimamente equivalentes aos motores 1.0, pois, se o IPI é taxado conforme o consumo de combustível (na verdade pelo tamanho do motor que teoricamente deveria refletir em economia de combustível ao menos na época que o IPI atual foi estabelecido), nada mais justo que um motor muito econômico (elétrico) pague a menor alíquota. Além disso, o barateamento dos veículos elétricos passa por aumento de volume de vendas, que por sua vez depende do preço público mais acessível que só será possível via redução da carga tributária.” (Reinaldo Muratori, Diretor de Planejamento, HPE Automotores do Brasil)

NISSAN – Não respondeu.

PEUGEOT – “Não vamos nos posicionar sobre o tema.” (Marcus Brier, Diretor de Comunicação, Peugeot do Brasil)

RENAULT – “A Renault não irá se manifestar sobre a rota 2030 pois o assunto está em discussão no âmbito da Anfavea, entidade da qual fazemos parte, e governo.” (Carlos Henrique Ferreira, Diretor de Comunicação, Vice-Presidente Instituto Renault, Groupe Renault)

TOYOTA – “Entendemos que hoje ocorre uma distorção onde veículos híbridos e elétricos, mais eficientes que veículos convencionais a combustão, pagam uma alíquota maior. Nesse sentido, a correção imediata dessa distorção seria importante para criarmos um mercado ecologicamente mais eficiente e em linha com o desenvolvimento de uma sociedade voltada para a mobilidade do futuro.” (Rafael Borges, Relações Públicas/Imprensa, Toyota do Brasil)

VOLKSWAGEN – “Já em 2020, a marca Volkswagen pretende vender 100 mil carros totalmente elétricos. A partir de 2025, de acordo com as nossas previsões, as vendas anuais de modelos da família I.D. poderão crescer 10 vezes, para 1 milhão de veículos. Neste contexto, a Volkswagen do Brasil está trabalhando para lançar o Golf GTE e o e-Golf no mercado brasileiro em 2018. Primeiramente, a empresa está finalizando as atividades internas para começar o processo de homologação para comercializar o Golf GTE plug-in híbrido na região da América do Sul. O Golf GTE possui um ágil sistema de propulsão para carros compactos, combinando motores TSI (turbo) e elétrico. O e-Golf com autonomia estendida será o próximo passo nesta estratégia de eletrificação. A autonomia nominal do novo e-Golf é de 300 km, baseado no NEDC oficial (novo ciclo europeu de direção). Desta forma, a Volkswagen considera muito positiva a discussão para a redução do IPI para veículos elétricos e híbridos.” (Fernando Campoi, Gerente, Imprensa Produto, Volkswagen do Brasil)

Volkswagen Golf GTE: a montadora que popularizou no automóvel no Brasil, com o Fusca, já anunciou que venderá uma versão híbrida e uma elétrica a partir de 2018. Vai atacar nas duas frentes de elétricos e híbridos.

Pergunta 2

Qual é o impacto que a existência ou não de motores turbo dentro de sua linha de produtos tem com a posição da empresa?

AUDI – Não respondeu.

BMW – “O motor a combustão seguirá a existir junto aos eletrificados. Somos a favor que o cliente possa ter o direito de escolha sobre qual sua motorização para que, como empresa, a gente possa entregar a melhor tecnologia disponível no mercado.” (Gleide Souza, Diretora de Relações Governamentais, BMW Group Brasil)

BMW i3: para o grupo alemão, o futuro está claro e será eletrificado, compartilhado, autônomo e conectado, por isso é preciso reduzir os impostos para que o cliente faça sua escolha entre carros elétricos e híbridos ou convencionais.

CHEVROLET – “Como comentei acima, a GM tem uma visão clara de futuro e quando renovamos a nossa linha completamente no ano passado, ganhamos até 31% de eficiência energética com o motor turbo do Chevrolet Cruze. É uma parte da nossa estratégia para um futuro com zero acidentes, zero emissões e zero congestionamento.” (Julia Bastos, Corporate Communications, General Motors Mercosul)

CITROËN – Não respondeu.

FIAT E JEEP – “Downsizing não é uma tecnologia nova para a FCA. Aliás, através da Fiat o Brasil conheceu o primeiro carro turbinado de série e expandimos este conceito com nossos modelos T-Jet. A aplicação dessa tecnologia envolve não só aspectos técnicos, onde somos referência mundial, mas também outras decisões estratégicas, como volume, produção local ou importação, bolso do cliente…  Enfim, mais uma vez, estamos preparados para o novo cenário que o Rota 2030 apontar, seja ele qual for.” (Ricardo Dilser, Comunicação Corporativa e Motorsport, FCA Latam)

Fiat 500e: a FCA afirma estar preparada para qualquer novo cenário que o programa Rota 2030 apontar e que tem as tecnologias, mas não disse se é favorável à redução do IPI para carros elétricos e híbridos.

FORD – Não respondeu.

HONDA – “A Honda tem globalmente um portfolio completo de soluções de propulsão de alta eficiência energética, que conta com tecnologia turbo, híbrida, elétrica e fuel cell. Por isso, é importante adotar ações que  possam  fortalecer e viabilizar essas tecnologias também no Brasil.” (Paulo Takeuchi, Diretor Executivo de Relações Institucionais, Honda South America)

HYUNDAI BRASIL – “A Hyundai Motor Brasil não responde individualmente. Este tema deve ser comentado pela Anfavea, por se tratar de uma decisão que afeta todas as montadoras e faz parte das discussões da Rota 2030.” (Karina Craveiro, CDN Comunicação, Hyundai Motor Brasil)

HYUNDAI CAOA – Não respondeu.

JAGUAR LAND ROVER – “A Jaguar Land Rover informou que oferecerá opções híbridas e elétricas para os seus lançamentos a partir de 2020 (não exclusivamente híbridas e elétricas), mas entende que os motores turbo continuarão tendo demanda para muitos perfis de clientes em diversos mercados do mundo, como o Brasil. A opção híbrida e elétrica é o presente e o futuro da indústria e do mercado, mas sabemos que o mercado terá um tempo longo de transição.” (Gabriel Patini, Diretor de Marketing e Produto, Jaguar Land Rover América Latina)

Range Rover Hybrid: a Jaguar Land Rover tem interesse em legislação específica para elétricos e híbridos porque a partir de 2020 todos seus carros terão essa opção.

MERCEDES-BENZ  – “Não vemos um impacto significativo, uma vez que o portfólio atual de automóveis Mercedes-Benz conta com motorização turbo que oferece o mesmo desempenho de veículos comercializados no passado, com motores maiores. Independentemente dessa questão, reforçamos a importância de haver uma tributação exclusiva para modelos elétricos, que seja atrativa para que o consumidor brasileiro absorva essa cultura.” (Luiz Carlos Moraes, Diretor de Comunicação e Relações Institucionais,  Mercedes-Benz do Brasil)

MITSUBISHI E SUZUKI – “A Suzuki possui motores turbo em sua linha de produtos e a Mitsubishi também terá no futuro. Isto não afeta nossa posição quanto ao IPI dos elétricos e híbridos, mas sim reforça nossa posição de pleitear uma mudança na legislação atual do IPI que deveria estar ligada à eficiência energética dos veículos e não à cilindrada dos motores.” (Reinaldo Muratori, Diretor de Planejamento, HPE Automotores do Brasil)

Mitsubishi i-Miev: a HPE Automotores concorda com uma redução do IPI dos atuais 25% para menos de 7%, tornando viável um mercado de volume para os elétricos.

NISSAN – Não respondeu.

PEUGEOT – “Não vamos nos posicionar sobre o tema.” (Marcus Brier, Diretor de Comunicação, Peugeot do Brasil)

RENAULT – “Quanto aos motores turbo, assim como qualquer outro sistema a sua aplicação está ligada aos resultados obtidos para cada aplicação. A Renault aplica esta tecnologia em vários de seus modelos no mundo.” (Carlos Henrique Ferreira, Diretor de Comunicação, Vice-Presidente Instituto Renault, Groupe Renault)

TOYOTA – “Muitas empresas estão seguindo a linha do downsizing com adoção do turbo, no entanto, a Toyota acredita e aposta firmemente na tecnologia híbrida como estratégia para uma sociedade e uma frota de veículos mais eficiente. Aliás, a Toyota lançou em 2015, o Desafio 2050, em que se compromete, dentre outras coisas, a reduzir em 90% os índices de emissão de CO2 de seus produtos até 2050 (comparados com 2010), o que significa que até lá, toda a sua frota será movida a veículos híbridos, elétricos ou célula de combustível.” (Rafael Borges, Relações Públicas/Imprensa, Toyota do Brasil)

VOLKSWAGEN – “Importante ressaltar que mesmo com a chegada dos veículos híbridos e elétricos, a Volkswagen está investindo cada vez mais na oferta de motores TSI, que reúnem o que há de mais moderno em termos de performance, eficiência energética e prazer ao dirigir.” (Fernando Campoi, Gerente, Imprensa Produto, Volkswagen do Brasil)

Leia na edição 413 da revista MOTOR SHOW nosso editorial sobre a criação de um mercado de carros híbridos e elétricos no Brasil.

blog comments powered by Disqus