Sebastian Vettel deixará a Ferrari no final de 2020

O alemão deixará o time de Maranello no final deste ano e as cartas estão na mesa sobre o seu futuro. Entre os nomes cotados, estão Carlos Sainz, Daniel Ricciardo e Antonio Giovinazzi

A Ferrari confirmou hoje (12) em breve comunicado a não renovação do contrato de Sebastian Vettel para a temporada 2021. O anúncio agita o mercado em um ano totalmente atípico, cujo início da temporada 2020 está marcado para 5 de julho, na Áustria.

“Esta é uma decisão conjunta entre nós e Sebastian. Não foi fácil por conta de suas qualidades, como piloto e pessoa. Não houve uma razão específica, mas chegou o momento de seguirmos caminhos diferentes para alcançar os nossos objetivos”, conta Mattia Binotto, chefão do time de Maranello.

Nos cinco anos de Ferrari, Vettel conquistou 14 vitórias e terminou entre os três primeiros do campeonato de pilotos. “Em nome da Ferrari, quero agradecer ao Sebastian por seu profissionalismo. Não conseguimos conquistar um título mundial, o que seria o quinto para ele”, completa Mattia.

“Meu relacionamento com a Ferrari terminará no final de 2020. Na F1 é essencial uma harmonia entre piloto e equipe. No entanto, ultimamente não havia mais esse relacionamento. O que ocorreu nos últimos meses me levou a refletir sobre quais são nossas verdadeiras prioridades na vida. Vou tirar uma tempo para refletir sobre o que é importante para o meu futuro”, diz Vettel.

A lista de substitutos para o piloto alemão é pequena, mas se concentra em três nomes: Carlos Sainz, Daniel Ricciardo, que já namorou a Ferrari anteriormente, e Antonio Giovinazzi. Também não está descartada a hipótese do hexacampeão Lewis Hamilton, cujo contrato com a Mercedes-Benz termina no final de 2020.

Ainda é muito cedo para especulações, porém, existe uma possibilidade pouco provável de Vettel voltar à Red Bull Racing, embora o time esteja focado em Max Verstappen. A alternativa mais plausível até o momento é de Vettel assumir um posto na Alfa Romeo ao lado do finlandês Kimi Räikkönen, no lugar de Antonio Giovinazzi, que seria promovido ao posto da Ferrari, ou batalhar por um lugar na Renault ou na McLaren. Com o anúncio, o monegasco Charles Leclerc se firma como o piloto número 1 da Ferrari.

Veja também

+ A biblioteca básica do motociclista cool

+ Tomografia revela que múmias egípcias não são humanas

+ Homem compra Lamborghini após fraude em auxílio emergencial

+ Restaurar um carro: quanto custa e quanto ele pode valorizar