Skoda 1100 OHC: um esportivo comunista dos anos 1950

Do lado de lá da Cortina de Ferro, a montadora checa desenvolveu um carro estava em pé de igualdade com os modelos ocidentais da época

0
2315
Divulgação

Com o início da Copa do Mundo na Rússia, os Lada foram muito lembrados nos últimos dias como um exemplo dos modelos de automóveis que eram produzidos na Europa Oriental há mais de 30 anos, quando a então União Soviética e boa parte dos países vizinhos tinham governos comunistas. Mas mesmo em um ambiente em que as montadoras estavam sob rígido controle estatal e os carros de lazer não eram exatamente uma prioridade, alguns modelos bem interessantes surgiram, como o Skoda 1100 OHC, um pequeno esportivo produzido entre 1957 e 1959 na então Tchecoslováquia.

O Skoda 1100 OHC surgiu com um chassi tubular e carroceria de fibra-de-vidro ou alumínio (roadster e cupê), que era equipado com um sofisticado motor 1.1 de quatro cilindros (derivado do propulsor usado no Octavia e dotado de duplo comando de válvulas, bloco de alumínio e dupla carburação) capaz de desenvolver 92 cv. O câmbio era manual de cinco marchas. E o refinamento mecânico não se limitava ao conjunto motriz: a suspensão era independente nas quatro rodas, uma raridade para a época. Pesando cerca de 550 kg, o modelo era capaz de atingir os 200 km/h de velocidade máxima.


É uma pena que, devido à situação política da época (eram os tempos da Guerra Fria), o 1100 OHC não entrou em produção seriada e a sua carreira nas pistas se limitou apenas a provas dentro da Tchecoscovávquia e em outros países comunistas. Foram produzidas artesanalmente apenas quatro unidades do esportivo comunista — dois roadsters com carroceria de fibra e dois cupês de aluminío — que não tiveram a chance de duelar nas pistas da Europa Ocidental com carros como o alemão Porsche 550 e o britânico MG MGA, ambos com propostas semelhantes.

Dos quatro carros fabricados pela Skoda, os dois roadsters foram preservados (um deles, o carro das fotos, pelo próprio fabricante). Já os cupês foram vendidos e acabaram destruídos em acidentes. Restou somente o conjunto mecânico de um deles, que cuja carroceria atualmente está sendo reconstruída pela montadora checa e será guardado no museu da empresa.