Só um enorme detalhe

Dois anos. Foi o quanto tivemos que esperar por uma Amarok automática. Para compensar a demora, a Volks apresentou sua picape com uma transmissão de oito velocidades, a mais moderna da categoria. Essa nova versão Highline – a única com o novo câmbio – deve representar de 55 a 60% das vendas do modelo. Por R$ 135.990, ela traz como opcionais apenas o GPS (R$ 2.500), as rodas aro 19 (R$ 1.900) e o controle de estabilidade (R$ 1.500). Este último incluiu auxílios em subidas (não deixa o carro recuar em rampas) e descidas (controla a velocidade automaticamente).


E há mais novidades: a caçamba agora pode ser trancada e a suspensão, nessa versão, cou mais confortável, com um feixe de molas extra e curso mais curto. Mas o destaque está no conjunto motriz. Para beber o novo diesel S50 (menos poluente), o motor teve a potência aumentada de 163 para 180 cv e o torque crescido de 40,8 para 42,8 kgfm.

Durante a avaliação do modelo, circulei no asfalto e na terra, encarei subidas íngremes e o trânsito urbano. Na estrada, a 120 km/h, em oitava marcha – que funciona como overdrive para economia -, o motor gira a 2.000 rpm, e o ruído é baixíssimo. Em subidas íngremes, a primeira atua como reduzida e ainda é possível acionar o modo esporte (que segura as marchas) ou fazer trocas manuais. Mas uma caixa de reduzida convencional talvez fosse melhor no off-road.

Na cidade, as marchas sobem rapidamente, sempre abaixo de 2.000 rpm, para priorizar o consumo. A 30-40 km/h, já está em quarta. Tudo com pouco deslizamento do conversor de torque e trocas imperceptíveis. Precisa acelerar? No zero a 100 km/h, a Amarok leva 10,9 segundos. Menos que um Toyota Corolla 2.0.

Um ponto questionável é em relação à tração integral. Não há opção 4×2 e, normalmente, 60% do torque vai para o eixo traseiro. Em situações de pouca aderência, ele é redistribuído conforme a necessidade (e há um botão para bloqueio do diferencial traseiro). A segurança é maior em todas as condições de piso, mas o consumo acaba prejudicado.

O interior continua confortável como o de um sedã, com luxos como som touchscreen (falta USB) e ar que mantém a cabine refrigerada com o motor desligado

VW Amarok CD Highline Aut.

MOTOR quatro cilindros em linha, 2,0 litros, 16V, biturbo sequencial com geometria variável TRANSMISSÃO automática sequencial, oito marchas, tração integral DIMENSÕES comp.: 5,25 m – larg.: 1,94 m – alt.: 1,83 m ENTRE-EIXOS 3,095 m CAÇAMBA 1.017 kg / 1.280 litros PNEUS 255/60 R18 PESO 2.073 kg ● GASOLINA POTÊNCIA 180 cv a 4.000 rpm TORQUE 42,8 kgfm a 1.750 rpm VELOCIDADE MÁXIMA 179 km/h 0 – 100 KM/H 10,9 segundos CONSUMO 12,2 km/l (média cidade/estrada) CONSUMO REAL não disponível

SHARE
Artigo anteriorMercado
Próximo artigoContato