Suv do novo gol

VW TIGUAN NACIONAL

R$ 55.000 (ESTIMADO)

Os europeus não gostam muito de sport utilities grandes. Para eles, são carros muito grandes, incompatíveis com o trânsito urbano e politicamente incorretos, pois possuem motores potentes e beberrões demais. Por isso, a Volkswagen está apostando que o Tiguan irá agradar bastante aos consumidores do velho continente, o que lhe garantirá uma venda de cerca de 120 mil unidades ao ano. Nada mal para um carro que concorre em um nicho de mercado.

Baseado na plataforma do Golf V, o Tiguan tem medidas menores que as da Touareg (4,43 m de comprimento) e utiliza o mesmo câmbio manual de seis marchas do médio. Há três opções de motores com injeção direta de gasolina (com potências de 152, 170 e 200 cv) e dois propulsores diesel TDI que são compatíveis com as normas de emissão da Euro5 e dispõem de 141 ou 172 cv de potência máxima.

A suspensão dianteira tem esquema MacPherson e a traseira possui quatro braços que são, em grande parte, derivados do Passat 4Motion mas que, para melhor adaptação no off-road, receberam subchassi de alta resistência. A direção com assistência elétrica do Golf também foi retrabalhada para evitar o contragolpe no volante, comum em terrenos acidentados.

O modelo será vendido em duas versões. A primeira, Track&Field, é voltada à utilização off-road e tem um ângulo de ataque de até 28º, além de dispor de equipamentos importantes para o fora-de-estrada.

Há um sistema de assistência em descidas e outro que auxilia as partidas em terrenos de baixa aderência, fornecendo o máximo torque, mas não toda a potência.

Já a segunda versão – que pode ter duas configurações de acabamento, Trend & Fun e Sport & Style – possui um ângulo de ataque de modestos 18º e uma aptidão maior para as estradas de asfalto.

O Tiguan é o SUV de entrada da Volks na Europa. Mesmo assim, é um carro sofisticado, que utiliza a caríssima plataforma do Golf V. A versão brasileira terá carroceria parecida, mas a base será a do CrossFox, responsável por 21% do total de vendas da família Fox

Segundo fontes ligadas à montadora, a carroceria do Tiguan servirá de inspiração para as linhas do SUV que a marca produzirá no Brasil. A base, no entanto, será menos sofisticada. Saem de cena, por exemplo, a refinada suspensão posterior com braços múltiplos e a tração 4Motion. O utilitário nacional terá tração dianteira e a mesma suspensão do CrossFox, que traz reforços estruturais em relação ao Fox, mas mantém o tradicional (e mais barato) eixo de torção.

Também não teremos os sofisticados motores de injeção direta. A expectativa é de que a VW adote apenas o motor 1.6 Flex – de 101 e 103 cv – o mesmo que será utilizado pelo restante da família NF (novos Gol e Saveiro). Para concorrer com o EcoSport, será o suficiente. Afinal, a versão 1.6 Flex é responsável por 85% de todas as vendas do SUV da Ford.

COMPARTILHAR
Notícia anteriorDe novo um 0km
Próxima notíciaMago dos Motores