SUVs, elétricos e híbridos: uma seleção de carros até R$ 210 mil

Melhor SUV a diesel, gasolina, flex ou híbrido? Ou, quem sabe, até mesmo um elétrico? Na faixa de preço até R$ 200 mil, o mercado brasileiro já tem muitas opções. Confira ofertas com cada tipo de mecânica e quanto gastam por ano em combustível*

A GASOLINA / FLEX

Jeep Compass
R$ 149.990 (Limited)

Abrindo mão da tração 4×4 e do motor a diesel, você pode levar o mesmo Jeep do comparativo (confira aqui), com pacote de equipamentos igual, por R$ 30 mil a menos. O torque cai quase pela metade e o peso não diminui muito, então o desempenho fica bem aquém. Embora o consumo seja alto, o etanol é bem mais amigável que o diesel com o meio-ambiente (e a gasolina também). E o mais importante: para pagar a diferença de preço para o com motor a diesel, seriam necessários uns 15 anos de abastecimento. Então vale considerar.

Ficha técnica:

Motor: quatro cilindros 2.0 16V flex, 159/166 cv, 19,9/20,5 kgfm
Câmbio: AT6, tração dianteira
Comprimento: 4,416 m
Entre-eixos: 2,636 m
Porta-malas: 410 litros
Consumo (km/l, g/e): 6,1/8,8 (cidade) e 7,5/10,8 (estrada)
Gasto: R$ 7.875 (g) e R$ 7.028 (e)

VW Tiguan Allspace 350 TSI
R$ 187.990 (R-Line)

É o SUV mais vendido de seu porte, porém considerando emplacamentos do 250 TSI, com 150 cv e torque de 25,5 kgfm, a partir de R$ 129.990. Ao preço do Equinox, tem a versão R-Line 350 TSI com um quatro cilindros com 220 cv e os mesmos 35,7 kgfm do Compass acoplado ao câmbio de dupla embreagem. É o maior modelo do segmento, podendo levar motorista e seis passageiros – mas tem consumo ainda pior que o do Chevrolet. A tração é do tipo integral permanente, mas não é feita exatamente para um uso off-road.

Ficha técnica:

Motor: quatro cilindros 2.0 turbo, 16V, 220 cv, 35,7 kgfm
Câmbio: automatizado, dupla embreagem, sete marchas, tração integral
Comprimento: 4,701 m
Entre-eixos: 2,790 m
Porta-malas: 686 litros
Consumo (km/l): 8,3 (cidade) e 9,6 (estrada)
Gasto: R$ 8.553

Peugeot 3008
R$ 166.990 (Griffe Pack)

A potência não é tudo isso, e falta força se comparado aos rivais mais caros, mas a posição de dirigir inovadora, com volante menor e painel que se vê por cima, e o acerto de suspensões e direção fazem dele um dos modelos mais divertidos ao volante da categoria. O design também agrada, e Compra do Ano 2019 da MOTOR SHOW. Parte de R$ 140 mil na versão Allure. Pelo valor acima, vem super-equipado, inclusive com sistemas semi-autônomos. O serviço pós-venda da marca melhorou muito nos últimos tempos.

Ficha técnica:

Motor: quatro cilindros 1.6 turbo, 16V, 165 cv, 24,5 kgfm
Câmbio: AT 6 marchas, tração dianteira
Comprimento: 4,447 m
Entre-eixos: 2,675 m
Porta-malas: 521 litros
Consumo (km/l): 9,8 (cidade) e 12,1 (estrada)
Gasto: R$ 7.054

Hyundai Tucson
R$ 156.900 (Limited)

Essa é a terceira geração de um dos modelos de maior sucesso de nosso mercado – embora hoje as vendas não estejam em seu melhor momento. O motor 1.6 tem potência e torque similares aos do Peugeot 3008, porém com um acerto mais voltado para o consumo e uma marcha a mais no câmbio automático, então o SUV coreano montado em Goiás é o mais econômico dos modelos a gasolina ou flex listados aqui. A tração apenas dianteira ajuda nesse ponto. O acabamento não impressiona, mas a marca tem clientes bastante satisfeitos com serviços pós-venda.

Ficha técnica:

Motor: quatro cilindros 1.6 16V turbo, 170 cv, 27 kgfm
Câmbio: AT 7 marchas, tração dianteira
Comprimento: 4,447 m
Entre-eixos: 2,670 m
Porta-malas: 513 litros
Consumo (km/l): 10,5 (cidade) e 12,2 (estrada)
Gasto: R$ 6.749

Mitsubishi Outlander
R$ 189.990 (V6)

Aqui nesse SUV Mitsubishi, nada de downsizing: pelo valor dos modelos do comparativo, o japonês vem com um 3.0 V6 com 240 cv de potência, mas com menos torque que os turbinados. A tração é integral – embora não seja para off-road – e o porte é bastante generoso, então ele também tem assentos extras no porta-malas. O acabamento interno decepciona, mas a marca tem muita tradição no segmento. Curioso é que embora tenha mantido um motor maior, o consumo é melhor que o do Equinox – mas ainda bastante alto.

Ficha técnica:

Motor: seis cilindros 3.0, 24V, 240 cv, 31 kgfm
Câmbio: AT 6 marchas, tração integral
Comprimento: 4,695 m
Entre-eixos: 2,670 m
Porta-malas: 715 litros
Consumo (km/l): 8,2 (cidade) e 10,3 (estrada)
Gasto: R$ 8.373

Honda CR-V
R$ 194.900

Junto com o Tucson, o CR-V fica entre os mais econômicos da categoria com motor a gasolina. Torque e potência também são apenas medianos, garantindo um desempenho adequado, mas que não empolga. O acabamento interno e o espaço estão entre os melhores do segmento, mas a Honda erra ao cobrar um preço acima da média, considerando o que oferece, e acaba atraindo apenas aqueles consumidores mais fiéis à marca e que acham que o HR-V é insuficiente. O valor fica mais fora da realidade agora que o arquirrival RAV4 chegou com tantas qualidades.

Ficha técnica:

Motor: quatro cilindros 1.5 16V turbo, 190 cv, 24,5 kgfm
Câmbio: CVT 6 marchas simuladas, tração integral
Comprimento: 4,591 m
Entre-eixos: 1,855 m
Porta-malas: 522 litros
Consumo (km/l): 10,4 (cidade) e 11,9 (estrada)
Gasto: R$ 6.856


A DIESEL

Jeep Renegade 2.0
R$ 134.990 (Longitude)

Mais barato SUV a diesel no Brasil atualmente, o irmão menor do Compass usa exatamente a mesma mecânica e tem um desempenho muito similar ao dele – mas estranhamente, segundo os números do PBEV-Inmetro, seu consumo é pior. Para quem não tem família grande e nem precisa de porta-malas – são apenas 320 litros de capacidade – pode ser uma compra bem interessante. O valor acima é da versão Longitude; a Trailhawk, mais off-road e com maior altura do solo, parte de R$ 145.990. Qualquer uma delas vem com reduzida e seletor de terreno e enfrenta terra, areia e lama com tranquilidade.

Ficha técnica:

Motor: quatro cilindros 2.0 turbo, 16V, 170 cv, 35,7 kgfm
Câmbio: AT 9 marchas, tração integral , com reduzida
Comprimento: 4,232 m
Entre-eixos: 2,570 m
Porta-malas: 273 litros
Consumo (km/l): 9,4 (cidade) e 11,5 (estrada)
Gasto: R$ 6.327

Mitsubishi Outlander
R$ 212.990 (HPE 2.2)

Se fôssemos selecionar o carro a diesel do comparativo do RAV4 híbrido (confira aqui) por porte, e não pelo preço como fizemos, seria o Outlander. Ele fica mais próximo em tamanho e espaço interno, mas o preço já passa de R$ 210 mil. E, apesar de ser maior e ter um pouquinho mais de torque que o Jeep, seu consumo de óleo diesel é ainda mais baixo que o do Compass na cidade (e eles empatam na estrada). Tem opção de sete lugares e tração integral, mas a economia do motor a diesel não compensa o valor extra, principalmente se comparado à novidade da Toyota.

Ficha técnica:

Motor: quatro cilindros 2.2 turbo, 16V, 165 cv, 36,7 kgfm
Câmbio: AT 6 marchas, tração integral
Comprimento: 4,695 m
Entre-eixos: 2,670 m
Porta-malas: 715 litros
Consumo (km/l): 10,8 (cidade) e 13,7 (estrada)
Gasto: R$ 5.428


OUTROS HÍBRIDOS

Lexus UX
R$ 173.490 A R$ 249.990

Como a Lexus é a marca de luxo da Toyota, ele, que também é novidade, pode ser considerado o “primo-rico” do RAV4 e usa as mesmas plataforma e mecânica, porém com uma calibração distinta. Sem expressão no mercado, a marca vende o UX – considerado um hatch premium compacto para brigar com Mercedes-Benz GLA, BMW X1/X2 e Audi Q3 – com preços agressivos, que partem da mesma faixa dos do RAV4. Mas, embora as dimensões externas sejam similares, o espaço interno e o porta-malas do Lexus são menores – e seu consumo, estranhamente, é maior.

Ficha técnica:

Motor: quatro cilindros 2.5, 16V, 155 cv, 21,4 kgfm + elétrico 142 cv e 27,5 kgfm = 194 cv combinados
Câmbio: CVT
Comprimento: 4,640 m
Entre-eixos: 2,660 m
Porta-malas: 475 litros
Consumo (km/l): 12,6 (cidade) e 11,2 (estrada)
Gasto: R$ 5.432

Toyota Prius
R$ 125.450

Ele não é um SUV, mas está aqui justamente para comprovar como os SUVs sempre gastam mais – pois precisam de mais motor, mais força, e aí o aumento no consumo é inevitável, seja qual for o combustível. Tudo bem que potência e torque são menores, mas com o Prius fizemos, na prática, até 23 km/l de média em São Paulo. O visual exageradamente futurista dessa quarta geração é para mostrar que se trata de um modelo diferente, mas não agradou a todos. Lançado em 1997, o modelo por muito tempo deu prejuízo à marca, mas hoje ele é o carro mais vendido do Japão – e um dos mais vendidos do mundo.

Ficha técnica:

Motor: quatro cilindros 1.8, 16V, 98 cv, 14,2 kgfm Câmbio: CVT, tração diant.
Comp: 4,540 m
Entre-eixos: 2,700 m
Porta-malas: 412 l
Consumo: 18,9 (cid.) e 17 (est.)
Gasto: R$ 4.201


ELÉTRICOS

BMW i3
R$ 205.950

Os SUVs 100% elétricos que você pode ou poderá muito em breve comprar estão nas próximas páginas. Porém, eles custam mais que o dobro, bem além dos R$ 400 mil. Na faixa aqui, de 170/180 mil, você hoje pode comprar o ultra-ousado hatch BMW i3. Economiza um absurdo de combustível – esse BMW gastaria, com o mesmo uso das nossas demais contas, apenas pouco mais de mil reais anuais. A autonomia é só 225 km elétrico, mas na cidade não é problema (há opção de extensor a gasolina, mas com um motor de moto. O elétrico que move o hatch quando carregado tem os mesmos 170 cv do Jeep, porém com menos torque (mas sempre disponível). A experiência é totalmente diferente. Mas você já pode reservar também alguns outros modelos mais convencionais no visual e cabine (leia ao lado).

Ficha técnica:

Motor: elétrico síncrono, 170 cv, 25,5 kgfm
Câmbio: relação fixa, uma marcha à frente e uma à ré, tração traseira
Comprimento: 4,011 m
Entre-eixos: 2,570 m
Porta-malas: 306 litros
Consumo: 7,7 km/kWh (média cidade/estrada)
Gasto: R$ 1.169 (a R$ 0,50/kWh)


O que vem por aí

Na último edição do Salão de São Paulo, ainda em novembro do ano passado, os primeiros carros elétricos das marcas generalistas foram exibidos no Brasil, e alguns deles já entraram em pré-venda. Modelos como o Nissan Leaf e o Chevrolet Bolt, ao lado, ficam na mesma faixa de preços dos três SUVs médios comparados nesta edição, mas oferecem espaço interno e porta-malas de hatch compacto popular. Para serem usados na cidade, trazem no porte menor até uma vantagem – outra é estarem livres do rodízio de veículos da capital paulista. Ainda estão chegando no Brasil o Renault Zoe e alguns elétricos da chinesa JAC. Agora, falando de SUVs, os elétricos ainda são bem mais caros. Resta saber quando compensará para as montadoras investir na eletrificação dessse segmento.

*usamos o mesmo perfil do comparativo: 1.500 km/mês, 55% cidade e 45% estrada, com os preços de combustíveis a R$ 3,60 (diesel) e R$ 4,20 (gasolina) e R$ 0,50 (kWh)