Tapete voador

O Audi A8 transmite luxo e requinte extremos. Se já era ótimo, cou ainda melhor depois das mudanças pontuais realizadas. Mais do que isso, o sedã topo de linha da Audi ainda cou mais econômico e e ciente. Fomos à Alemanha para conhecer o modelo e conferir a dirigibilidade desse (verdadeiro) transatlântico do asfalto. De início, as dimensões avantajadas chamam a atenção: são mais de 5 metros de comprimento e distância entre-eixos de quase 3 metros, que se traduzem em muito conforto e espaço para as pernas dos ocupantes dos bancos traseiros, que são individuais. Apesar do seu tamanho, o
A8 pesa menos que o Mercedes-Benz Classe S 500 (1.955 quilos) e o BMW 750i (2.015 quilos). Seus 310 cv carregam só 1.830 quilos. Exceto as colunas B, a carroceria é de alumínio.


Uma vez ao volante, o silêncio interno é incrível. Quem viaja na frente tem à disposição largos e confortáveis bancos revestidos de couro, que trazem ventilação e massagem. Além disso, a cabine oferece ar-condicionado automático de duas zonas, teto solar panorâmico, refrigerador, mesinhas do tipo avião, ionizador para cuidar da qualidade do ar e sistema de áudio da renomada marca Bang&Olufsen com 1.400W e 19 alto-falantes. E não para por aí. O sistema de informações ao condutor tem tela de 7”, enquanto o monitor do MMI (Multi Media Interface) tem 8”. Já o MMI Navigation Plus oferece um touchpad, que facilita a vida do motorista na hora de colocar um endereço no navegador. Basta desenhar as letras que o sistema entende e insere o local de destino. Como se isso não bastasse, o carro ainda tem um ponto de acesso à internet. Sensacional!

O Audi A8 é tudo isso, mas não se esquece de oferecer um motor à altura do seu garbo. Ele tem até uma versão W12 de 500 cv e uma V8 de 420 cv. A unidade avaliada na Alemanha trazia um V6 3.0 sobrealimentado por compressor volumétrico, com 300 cv. De acordo com a marca, um pacote para diminuir o atrito na parte interna do motor reduziu o consumo de combustível em 10%. Em movimento, o A8 é um “tapete voador” e a potência é entregue de maneira progressiva. A tração é integral e o câmbio Tiptronic de oito marchas realiza as mudanças ou reduções de forma ágil e bastante suave. Pelo Audi Drive Select, podem ser regulados os parâmetros da caixa de direção, do pedal do acelerador e da suspensão pneumática, que ajusta a altura do carro em relação ao solo e também de acordo com a velocidade.

Outro suprassumo do A8 são os faróis com tecnologia Matrix LED (opcionais). O conjunto é composto por 25 LEDs conectados em série, que ligam, desligam ou atenuam seu funcionamento de acordo com a situação – por exemplo, quando o motorista se aproxima do carro à frente. Além dessa tecnologia, que permite enxergar mais longe, o A8 traz luzes de curva inteligentes e diurnas com novo desenho. Como falam, o olhar diz muito sobre alguém. Já as lanternas também são de LED. Se o Audi dá um show em tecnologia e requinte, em segurança ele também cuida dos seus passageiros. Entre seus equipamentos estão presentes o controle adaptativo de velocidade com função stop&go (opcional), assistente de manutenção de faixa e de estacionamento com monitor 360º (para auxiliar nas manobras ou balizas) e assistente de visão noturna. A novidade ca por conta do head-up display, que projeta no para-brisa informações como a velocidade do carro.

O Audi A8 é assim. Um carro tão espetacular que não dá vontade de sair de dentro.

Veja também

+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Baleia jubarte quase engole duas mulheres em caiaque; veja o vídeo
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel