Tecnologia a serviço da potência

O McLaren P1 pode sair da garagem no centro da cidade e ser levado para um autódromo a até dez quilômetros usando só o modo elétrico (E Mode). Chegando lá, basta escolher o modo de pista (Track) ou corrida (Race) para que os controles eletrônicos do conjunto motor-câmbio, das suspensões e dos apêndices aerodinâmicos ativos explorem todo o potencial do carro. São 916 cv de potência total (737 deles o V8 biturbo). É assim que a McLaren imagina que se use o P1.


O carro é uma joia de leveza, original tanto pelas soluções construtivas quanto pelo uso de materiais compostos ainda mais leves do que os disponíveis no mercado até hoje. Particularmente sofisticado é o sistema de suspensões RCC: hidropneumático e ativo, administra de forma independente as molas e a rolagem da carroceria, ajustando constantemente a distância do solo.

Os amortecedores, claro, também são adaptáveis: as rodas são controladas de forma independente, cada uma com seu próprio atuador – com pistões que trabalham em circuitos distintos, que, respectivamente, monitoram a rolagem da carroceria e os movimentos verticais. As barras estabilizadoras e as clássicas molas helicoidais de aço foram eliminadas. A P1 tem quatro acertos das suspensões: Normal, Sport, Track ou Race. Os três primeiros são selecionados por uma alavanca; o quarto, por um botão. Entre o normal e o Corsa, a resistência à rolagem da carroceria aumenta 3,5 vezes, e as suspensões ficam até 140% mais rígidas.

Veja também

+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Baleia jubarte quase engole duas mulheres em caiaque; veja o vídeo
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

COMPARTILHAR
Notícia anteriorUm carro ligado na tomada
Próxima notíciaUm BMW inesperado