Teste Rápido: 100% elétrico, Renault Zoe está mais rápido e bonito

O Renault Zoe mudou por fora e por dentro, além de ficar mais rápido de acelerar e ainda oferecer um alcance puramente elétrico de até 385 km

Renault Zoe E-Tech
Foto: Divulgação

O Renault Zoe é um “velho conhecido” — já algumas vezes o testei para a Motor Show. E a minha última experiência ocorreu no início do ano passado (leia aqui). Inegavelmente, agora ele está diferente exibindo um visual mais arrojado, além de aprimoramentos técnicos distantes dos olhos e em prol tanto do desempenho quanto do alcance.

Falando do que os olhos enxergam, comparado ao antecessor, os destaques externos ficam pela dianteira reformulada e mais agressiva acompanhada das rodas de 16” diamantadas e as lanternas de LED dotadas de novo arranjo interno e setas dinâmicas.

Produzido na fábrica de Flins-Sur-Siene, na França, mesmo local onde é fabricado o Nissan Micra, o hatch compacto 100% elétrico chegou ao nosso mercado nas configurações Zen (R$ 204.990) e a topo de linha Intense (R$ 219.990). É um valor semelhante a de utilitários esportivos, como o do Peugeot 3008 Allure (R$ 212.190), porém, em troca entrega um condução livre de poluentes.

Visual diferente

Logo de início, fiquei surpreso com as mudanças na cabine. Os materiais empregados no acabamento deram um salto em qualidade transmitindo ares de refinamento. O conforto é evidenciado pelos bancos confortáveis apesar de não serem ajustáveis em altura – os encostos são inteiriços, a exemplo dos modelos Chevrolet Onix e Onix Plus.

Um charme extra aparece nos detalhes em tecido no console central e no painel – este último, um estilo presente no Citroën C4 Cactus. A alavanca de câmbio foi redesenhada e ficou mais ergonômica ao passo que o volante remete o do SUV Renault Duster.

Com dimensões similares às do Renault Sandero, o Zoe E-TECH mede 4,087 m de comprimento e 2,588 m de entre-eixos, enquanto o porta-malas é de 338 litros. No Sandero, para comparar, são 4,070 m, 2,590 m e 320 litros, respectivamente. 

De série, a opção Zen oferta, entre os itens, o quadro de instrumentos totalmente digital configurável de 10”, os faróis de LED com acendimento automático, os sensores de estacionamento dianteiros/traseiro/de chuva, a chave presencial e o controlador automático de velocidade.

O multimídia de 7” com Android Auto/Apple CarPlay possui uma interface intuitiva de utilizar e exibe os gráficos do fluxo de energia. O equipamento pode ser controlado pelo comando satélite na coluna de direção ajustável em altura/profundidade.

As exclusividades da topo de linha Intense (avaliada) ficam pelo retrovisor interno eletrocrômico/os externos com rebatimento elétrico, o monitor de pontos cegos, as já citadas rodas de 16” diamantadas e o carregador de parede DC (corrente contínua) de 50 kWh.

+ Toro da Chevrolet? GM confirma produção de nova picape no Brasil
+ Avaliação: Citroën C4 Cactus THP ainda empolga ao volante
+ Rodízio noturno de SP terá novo horário a partir de segunda (10)
+ Cartão de estacionamento para idoso poderá virar digital; saiba mais

Desempenho instantâneo

Um dos maiores atrativos de um carro elétrico está na entrega instantânea de desempenho. É pisar no pedal do acelerador para ser catapultado. Em resumo, dificilmente alguém o alcançará nas saídas de semáforo.

O fôlego do Renault Zoe E-TECH vem motor movido a eletricidade síncrono dianteiro R135, com 135 cv de potência e 24,98 kgfm de torque. Um “foguetinho” de acelerar, conforme constatamos durante o nosso primeiro contato pelas ruas e avenidas de São Paulo. Também pudera, pois no Renault Zoe antigo eram 88 cv e 22,43 kgfm.

Embora tenha 1.502 kg, de acordo com o fabricante, o Renault Zoe E-TECH vai de 0 a 100 km/h em 9,5 segundos (13s5 no antigo) e a velocidade máxima é de 140 km/h (o antecessor cravava 135 km/h).

Não apenas a capacidade de acelerar foi evidenciada, como o alcance máximo ganhou 85 km a mais e saltou de 300 km, no modelo antigo, para 385 km (ciclo WLTP). Isso ocorreu após a instalação da nova bateria de íons de lítio de 12 módulos/192 células e 52 kWh sob o assoalho. O peso do conjunto é de 326 kg, enquanto a garantia de oito anos e a vida útil de dez.

O modo de condução ECO deixa o comportamento mais brando em prol do consumo, enquanto a alavanca de câmbio, agora oferece a posição B (B Mode) para aumentar o poder de regeneração durante as desacelerações. Ainda falando da alavanca, ela não possui a posição P e o motorista precisa acionar o freio de estacionamento eletrônico nas paradas.

As suspensões do Renault Zoe E-TECH possuem uma nova calibração e foram erguidas em 20 mm frente ao modelo europeu. Elas suportam bem o nosso asfalto, aliás, outro elogio vai para o isolamento acústico da cabine, que isolam bem os até cinco passageiros do meio exterior.

Na hora de abastecer, a tomada de carregamento rápido e do tipo 2 ficam sob o emblema frontal da Renault. Plugado em uma Wallbox de 7,4 kWh são necessárias pouco mais de nove horas para obter 100% da carga.

Renault Zoe E-Tech
Foto: Divulgação

Não é um carro barato, mas transmite uma dirigibilidade eficiente e divertida por conta das respostas instantâneas. Ofertado por R$ 219.990, o Renault Zoe E-TECH Intense é mais barato que Nissan Leaf (R$ 274.900), o Chevrolet Bolt (R$ 274.000) e os JAC iEV 40 (R$ 225.990) e iEV60 (R$ 259.900).

Desde o início da importação regular a partir de 2018, o Renault Zoe já emplacou cerca de 200 unidades. Delas, 80% foram destinadas aos clientes corporativos. Além disso, o modelo está disponível no programa de carro por assinatura do fabricante oferecendo planos a partir de R$ 3.890/mês. O modelo 100% elétrico está disponível em cinco cores: azul Bleu Celadon, vermelho Red Flame, branco Blanc Quartz, prata Gris Highland, cinza escuro Gris Titanium e preto Noir Étoile.


FICHA TÉCNICA

RENAULT ZOE E-TECH INTENSE
Preço básico: R$ 204.990
Carro avaliado: R$ 212.190

Renault Zoe E-TECH Intense
Motor: elétrico síncrono, dianteiro
Combustível: bateria
Potência: 135 cv entre 4.200 e 11.163 rpm
Torque: 24,98 kgfm de 250 a 2.500 rpm
Câmbio: automático, uma marcha
Direção: elétrica
Suspensão: MacPherson (d) e eixo de torção (t)
Freios: disco ventilados (d/t)
Tração: dianteira
Dimensões: 4,084 m (c), 1,730 m (l), 1,562 m (a)
Entre-eixos: 2,588 m
Pneus: 195/55 R16
Porta-malas: 338 litros
Bateria: ions de lítio, 52 KWh
Peso: 1.502 kg
0-100 km/h: 9s5
Velocidade máxima: 140 km/h
Consumo cidade: 34,9 km/l*
Consumo estrada: 27,8 km/l*
Autonomia: 385 km (ciclo WLTP)
Recarga: Wallbox (7,4 kWh), 100% da carga em 9h25, (22 kWh) em três horas ou 150 km de alcance em 1h30 em estações de carregamento de 50 kW
Nota do Inmetro: A
Classificação na categoria: A (Médio)
*dados para referência do modelo antigo

Mais na Motor Show

+ Comissão da Câmara rejeita projeto que exige estepe idêntico aos pneus de rodagem
+ Com 830 cv, Ferrari 812 Competizione chega para ser o modelo de rua mais potente da marca
+ Paradas em fábricas de veículos devem se estender até o 2º semestre, aponta Anfavea
+ Editorial: sob o domínio dos SUVs (ou: até tu, Bond?)
+ BMW lança novos Série 1 e Série 2 no Brasil

Veja também

+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Baleia jubarte quase engole duas mulheres em caiaque; veja o vídeo
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel