Teste rápido: sem motor turbo, novo Peugeot 208 conquista pela cabine

Novo Peugeot 208 continua com o motor 1.6, mas ainda assim agrada ao volante. E conquista principalmente pela beleza interior

Peugeot 208 R$ 5 mil mais barato

Os carros franceses sempre se destacaram pelo design, e com este novo Peugeot 208 não é diferente. O hatch acaba de chegar em nova geração em quatro versões com linhas mais ousadas, tanto externas quanto dentro da cabine. Os preços partem de R$ 74.990 e chegam a R$ 94.990 na topo de linha Griffe (confira aqui versões e equipamentos).


Beleza interior

Se o exterior do novo Peugeot 208 já agrada, a cabine impressiona. Há bastante plástico duro, mas a versão Griffe avaliada tem partes com um belo acabamento “soft” imitando carbono e pedaços em black piano.

Para completar, há um teto panorâmico de vidro, que ilumina e “amplia” a cabine – que está de fato mais espaçosa, já que o carro agora tem 4,05 metros, mesma medida do VW Polo (apenas o porta-malas diminuiu um pouco, para ainda razoáveis 265 litros).

Outro destaque é o novo i-cockpit. Agora, além de digital, é 3D: há uma camada no fundo, “normal”, uma intermediária, onde algumas informações são projetadas, e um nível analógico, na cobertura externa, que mostra indicadores como os das setas. A central multimídia é a mesma, e abaixo dela há práticos atalhos para funções mais usadas.

Já na lista de equipamentos, neste Griffe só sentimos falta de um som premium e de um retrovisor eletrocrômico – mas já há faróis e DRLs de LED, seis airbags, sensor de chuva, ar-condicionado automático digital e sistemas semiautômos, como de manutenção em faixa, farol alto automático, leitor de placas e alerta de colisão com frenagem.

Mesma mecânica, outro rodar

Hora de ver como anda este novo Peugeot 208. Muitos esperavam o motor 1.2 turbo do europeu (leia aqui a avaliação dele), mas, como adiantamos, a marca decidiu manteve aqui o conhecido 1.6 16V. Pode não ter o torque dos turbinados, mas agrada pela progressividade, e agora tem modos Eco e Sport mais extremos.

Não há aletas no volante, e as trocas manuais são feitas pela alavanca. Mas a principal diferença está na plataforma. Um dos principais destaques são as suspensões, que controlam bem a carroceria e, pela primeira vez, lidam extremamente bem com as péssimas condições do asfalto em nossas cidades e estradas.

A avaliação completa deste novo Peugeot 208, e as impressões do modelo elétrico e-GT, você poderá conferir na edição de outubro/novembro da revista MOTOR SHOW, em breve nas bancas, e depois também aqui no nosso site www.motorshow.com.br.

 

FICHA TÉCNICA

PEUGEOT 208 

Preço básico: R$ 74.990
Carro avaliado: R$ 94.990

Peugeot 208 Griffe

Motor: quatro cilindros em linha 1.6, 16V, duplo comando variável
Cilindrada: 1587 cm3
Combustível: flex
Potência: 115 cv a 5.750 rpm (g) e 118 cv a 5.750 rpm
Torque: 16,1 kgfm a 4.750 rpm (g) e a 4.000 rpm (e)
Câmbio: automático sequencial, seis marchas
Direção: elétrica
Suspensões: McPherson (d) e eixo de torção (t)
Freios: discos ventilados (d) e tambor (t)
Tração: dianteira
Dimensões: 4,055 m (c), 1,738 m (l), 1,45 m (a)
Entre-eixos: 2,538 m
Pneus: 195/55 R16
Porta-malas: 265 a 1.163 litros
Tanque: 47 litros
Peso: 1.178 kg
0-100 km/h: 12,6 s (g) e 12 s (e)
Velocidade máxima: 190 km/h
Consumo cidade: 11 km/l (g) e 7,7 km/l (e)*
Consumo estrada: 13,2 km/l (g) e 9,3 km/l (e)*
Emissão de CO2: 112 g/km*
Nota do Inmetro: B*
Com etanol: ZERO
*antigo

Veja também

+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Baleia jubarte quase engole duas mulheres em caiaque; veja o vídeo
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel