Túnel do TEMPO

Quem acha que já viu tudo em matéria de carros antigos no Brasil sempre tem uma surpresa quando chega a Araxá. O Brazil Classics Show reúne a nata dos carros históricos brasileiros. Carro vencedor em Araxá tem sempre padrão internacional, e o deste ano não foi diferente: um Daimler 1939, capaz de chamar tanta atenção aqui quanto em qualquer evento europeu ou norte-americano. O Straight Eight Sedanca deVille é um exemplar único, com laterais em palha trançada. Sem levar o prêmio maior e precisando de uma restauração cuidadosa, um fantástico Isotta Fraschini 1927 talvez tenha sido o que mais chamou a atenção. O sedã duas portas com carroceria feita pela casa italiana Sala faz parte da estirpe que coleciona troféus em Pebble Beach, nos EUA, ou Villa d’Este, na Itália. Não bastasse isso, tem um “pedigree” adicional: foi o veículo de uso pessoal de João Ribeiro de Barros, o aviador pioneiro que atravessou o Atlântico Sul em 1927.


O tema deste ano eram os esportivos italianos e duas alas foram dedicadas às Alfa, Lamborghini, De Tomaso, Maserati e, é claro, Ferrari. Mas Araxá não é território exclusivamente estrangeiro e, este ano, teve uma rara reunião de 25 Simca, comemorando os 50 anos da implantação da marca no Brasil. Os modelos iam dos primeiros Chambord “três andorinhas” ao Esplanada, com destaque para o GTX e o carro do inspetor Carlos, do seriado Vigilante Rodoviário. Ainda entre os nacionais, dois carros fizeram pulsar mais forte o coração de quem ama o automobilismo. O primeiro foi o Bino MK1 amarelo da Equipe Willys, o outro, um DKW Malzoni: dois protagonistas de disputas memoráveis na década de 60. Serviram de escola para brasileiros que, em seguida, partiram para a Europa e ganharam fama internacional. Nomes? Emerson e Wilson Fittipaldi e José Carlos Pace, para ficar apenas na Fórmula 1. Tantos destaques chegam a ofuscar o que, em outros encontros, seriam sensações. Uma ala inteira, com dez Rolls-Royces Corniche, parecia até discreta ante o brilho que a circundava. Coisas de Araxá – um encontro que, por aqui, não tem nenhum similar.

Um Daimler Sedanca Deville 1939, eleito o melhor carro da exposição. Abaixo, um Rolls-Royce Silver Wraith 1954, um Studebaker Sedan 1931 amarelo e algumas peças raras negociadas entre os colecionadores. A ala das Ferrari e três modelos da marca inglesa Packard

 

Veja também

+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Baleia jubarte quase engole duas mulheres em caiaque; veja o vídeo
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

COMPARTILHAR
Notícia anteriorEngatou a sexta
Próxima notíciaPoderia oferecer mais