Um GPS mais social

-

O Waze é um navegador no qual você faz parte do mapa. Explico: cada motorista tem um perfil, que pode ser associado ao Facebook, e um avatar – uma gotinha sobre rodas que mostra sua localização no mapa, velocidade, apelido e humor (que você pode escolher). O objetivo é que cada motorista colabore com informações sobre congestionamentos, acidentes e presença de policiais.


Além de mostrar no mapa as outras “gotinhas” e as informações e comentários que fornecem, o Waze é um navegador e, claro, calcula rotas para chegar a um destino e dá instruções passo a passo. O app mostra diferentes opções de caminho e estima o tempo de chegada conforme o trânsito, como o tradicional Google Maps, e ainda alerta sobre radares (discretamente) e permite interação entre os motoristas. Você pode ver aonde seus amigos estão indo, e qualquer avatar no mapa – até mesmo o daquele do carro que está à sua frente e não dá passagem de jeito nenhum – pode ser identificado e contactado por mensagem via Waze. Cuidado com o que você vai dizer…

O aplicativo é grátis e os mapas são baixados pelo telefone, mas ocorrem alguns problemas. Para começar, há muitos erros na localização de endereços e pontos de interesse. O segundo, mais grave, é que, diferentemente do Google Maps, sua interface não é fácil de ser usada por quem está dirigindo. Explorar o mapa e digitar textos ao volante é bem perigoso. Melhor deixar isso para o passageiro…

Veja também

+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Baleia jubarte quase engole duas mulheres em caiaque; veja o vídeo
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

COMPARTILHAR
Notícia anteriorMuito além de carros
Próxima notíciaViagem no tempo