Um intermediário para botar no topo da sua lista

Roberto Assunção

É raro uma marca mostrar a gama completa de um modelo logo no lançamento. Normalmente, a versão mais completa e potente é mostrada antes, para causar uma boa primeira impressão. Foi o que fez a Mercedes-Benz com a nova geração do Classe C. Primeiro mostrou o ótimo C 250 Sport, com 211 cv, pacote visual AMG e preço de quase R$ 200.000. Depois veio o C 180, mais acessível, mas com um motor 1.6 que não é páreo para os principais rivais. Só agora, finalmente, botamos as mãos no C 200 Avantgarde, a melhor opção da gama. Enquanto o C 180 é vendido por R$ 142.900, esse C 200 custa R$ 159.900. E o que você leva pelos R$ 17.000 extras? Muita coisa. Além de um ótimo 2.0 no lugar do tímido 1.6 (ambos turbinados), ainda há um belo upgrade nos equipamentos.


O interior todo preto é ao mesmo tempo moderno e elegante, e os comandos ficam todos à mão. Controles da central multimídia: pode-se optar entre usar o botão giratório tradicional ou o novo touch-pad

Aos itens do já bem equipado C 180 – ar-condicionado automático digital, GPS, faróis full LED, sensor de chuva e mais – ele ainda soma banco com ajuste elétrico completo, inclusive de comprimento do assento, da lombar e do apoio de cabeça, volante com ajuste elétrico, retrovisores externos rebatíveis eletricamente e interno antiofuscante, teto-solar e sistema de estacionamento automatizado. O motor maior acaba sendo quase um brinde. E que belíssimo brinde! Com 184 cv e generosos 30,6 kgfm de torque disponibilizados desde baixíssimas 1.200 rpm até os 4.000 giros, esse 2.0 garante 0-100 km/h em 7,3 segundos, marca bem próxima dos 6,6 segundos do C 250.

É verdade que o turbo lag cresce e o consumo passa de nota A para B (ainda muito bom). Por outro lado, o prazer ao volante é bem maior e o acanhado ronco da versão de entrada vira um som grave e esportivo – e por essa e outras o Classe C 200 é o mais apto para encarar o líder BMW 320i. No mais, o C 200 tem uma divertida direção com assistência elétrica e relações variáveis (quanto mais você vira, mais direta ela fica), seletor de chassi (Agility Select) que modifica parâmetros da direção, do motor e do câmbio automático de sete marchas, suspensões mais confortáveis que esportivas (que precisam ser mais “tropicalizadas”) e um acabamento melhor que os dos BMW (e até que o do atual Audi A4).

 

——

Ficha técnica:

Mercedes-Benz C 200 Avantgarde

Motor: 4 cilindros em linha, 16V, comando variável, injeção direta, turbo
Cilindrada: 1991 cm3
Combustível: gasolina
Potência: 184 cv a 5.500 rpm
Torque: 30,6 kgfm de 1.200 a 4.000 rpm
Câmbio: automático sequencial, sete marchas
Tração: traseira
Direção: elétrica
Dimensões: 4,686 m (c), 1,810 m (l), 1,442 m (a)
Entre-eixos: 2,840 m
Pneus: 225/50 R17
Porta-malas: 480 litros
Tanque: 66 litros
Peso: 1.465 kg 0-100 km/h: 7s3
Velocidade máxima: 235 km/h
Consumo cidade: 8,9 km/l
Consumo estrada: 12,1 km/l
Nota do Inmetro: B (categoria extra-grande)