Um luxo consciente

Foi-se o tempo em que ter desempenho com baixo consumo era impensável. A BMW com o 118i acertou a fórmula. Apresentado no último Salão de Frankfurt, em setembro de 2011, a segunda geração do hatch Premium desembarcou por aqui em três versões: 118i (R$ 113.370), 118i Urban Line (R$ 119.200) e a 118i Sport Line (R$ 122.900 – avaliada). Aqui, seu principal oponente será o novo Audi A3 que chega ainda este ano. Para fazer bonito perante o compatriota (e peitar também o Mercedes Classe A que chega em 2013), o BMW traz o novíssimo motor quatro cilindros, de 1,6 litro, com turbo de geometria variável e 172 cv. O resultado? Ele ficou mais arisco e divertido de guiar em relação ao modelo anterior com o “amansado” 2.0 litros de 136 cv e ainda ganhou em consumo e emissões.

A mudança “caiu como uma luva” e as reações desse “BM” estão rápidas. Desde as baixíssimas rotações, ele mostra disposição para acelerar vigorosamente. É afundar o pé no acelerador para sentir o corpo sendo pressionado com força contra o encosto do assento. O “espirro”, emitido pela válvula de alívio, ajuda a esquentar os ânimos. Parte desse fôlego se deve ao auxílio da transmissão automática, com acionamento eletrônico, vinda das luxuosas versões da marca bávara. As oito marchas são passadas de maneira exemplar, e o silêncio a bordo é um dos destaques. As trocas sequenciais são feitas apenas na alavanca e não há borboletas no volante. Uma pena.

Por outro lado, essa versão oferece quatro modos de condução que alteram os parâmetros de acelerador, direção, câmbio e suspensão. São quatro carros em um só. Ao acionar o modo Sport, a suspensão copia mais fielmente a pista, aumenta a precisão do volante e deixa as respostas do acelerador mais rápidas ao menor comando. No Sport Plus a diversão é garantida e uma parte do controle de estabilidade é desligada. Aqui é possível sentir toda a boa dinâmica do eficiente chassi desse pequeno alemão, proporcionada pela distribuição de peso quase perfeita entre os eixos. Já o modo ECOPRO fez parte do pacote Efficient- Dynamics e é um show à parte. Tudo voltado para a economia de combustível. Por exemplo, a 100 km/h o ponteiro do contagiros repousava a 1.500 rpm.

O sistema ensina o motorista a dirigir de forma econômica exibindo mensagens. Além disso, reduz a potência do ar-condicionado para ampliar a autonomia em até 120 km. Nas retas, a assistência elétrica do volante também é desligada para poupar combustível, e há o sistema start/stop que desliga momentaneamente o motor durante breves paradas. O 118i tem ainda uma espécie de mini Kers, que regenera a energia dissipada por meio dos freios. Toda essa operação pode ser visualizada pelo monitor LCD instalado no alto do console central. Durante a avaliação foi possível fazer médias urbanas de 12 km/l com o trânsito livre e de até 8 km/l nos congestionamentos.

A nova carroceria abandonou em parte os traços de Chris Bangle e assumiu um lado mais musculoso (mas não menos controverso), desenhado pelo holandês Adrian Van Hooydonk. Ao todo, a carroceria aumentou em 8,5 cm no comprimento, 1,7 cm na largura e 3 cm no entre-eixos; a altura manteve-se inalterada e as bitolas dianteiras e traseiras cresceram 5,1 cm e 7,2 cm, respectivamente. O porta-malas também espichou para 360 litros contra os 330 litros da geração anterior. Mesmo assim, quem viaja atrás ainda encontra um espaço apertado, principalmente, para o terceiro ocupante, por conta do elevado túnel da transmissão, típico dos modelos com tração no eixo traseiro.

O acabamento emprega materiais nobres e detalhes em aço escovado. Os bancos em tecido abraçam muito bem o corpo, além de oferecer comandos para inflar ou desinflar as abas laterais. Desde as versões mais básicas, o carro tem seis air bags, freios ABS, controles de estabilidade e de tração e monitor da pressão dos pneus. O 118i é um típico exemplo de downzing eficiente. Consegue ser rápido e ainda faz você economizar alguns trocados com gasolina. Um luxo politicamente correto.

A posição de dirigir é bem esportiva, mas, se você optar pelo modo ECO PRO, poderá acompanhar os diversos sistemas de economia de combustível que ajudam a gastar menos, inclusive ensinando a dirigir economicamente. Há o sistema start/stop e outro que recupera a energia das frenagens

BMW 118i

MOTOR quatro cilindros em linha, 1,6 litro, 16V, injeção direta, turbo, duplo comando variável TRANSMISSÃO automática sequencial, oito marchas, tração traseira DIMENSÕES comp.: 4,32 m – larg.: 1,77 m – alt.: 1,42 m ENTRE-EIXOS 2,690 m PORTA-MALAS 360 litros PNEUS 195/55 R16 PESO 1.370 kg ● GASOLINA POTÊNCIA 170 cv de 4.800 a 6.500 rpm TORQUE 25,5 kgfm de 1.500 a 4.500 rpm VEL. MÁXIMA 222 km/h* 0 – 100 km/h 7,5 segundos* CONSUMO cidade: 13,3 km/l – estrada: 20,6 km/l* CONSUMO REAL não disponível (*dados da Europa)

Veja também

+ Fiat faz desconto em toda a linha; preço do Toro cai R$ 32 mil
+ Acesso de fúria de macaco deixa um homem morto e 250 pessoas feridas na Índia
+ Risco de casos graves de Covid é 45% maior em pessoas com sangue do tipo A, segundo pesquisadores europeus,
+ Aprenda a fazer o brigadeiro de paçoca de Ana Maria Braga