Um mercado quase impenetrável

Nas ruas de Tóquio, é raro ver carros importados. Em 2012, representaram só 4,5% dos veículos vendidos no Japão. Culpa não só do protecionismo local, que cobra elevados impostos dos importados e exige inúmeras adaptações a regras locais, mas também da necessidade de carros pequenos e com motores de até 660 cilindradas, os “kei cars”. Por isso, o Salão de Tóquio é fraco em lançamentos de importados. As americanas Ford e GM, por exemplo, nem participam da mostra. Para se ter uma ideia, Cadillac e Chevrolet juntas venderam cerca de 1.000 carros lá em 2012. As marcas que conseguem se sair melhor, proporcionalmente, são as de luxo. Não por acaso, foram as que mostraram mais novidades – mesmo assim, na maioria em apresentação simultânea com o Salão de Los Angeles, realizado nos mesmos dias.


Veja também

+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Baleia jubarte quase engole duas mulheres em caiaque; veja o vídeo
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

COMPARTILHAR
Notícia anteriorRobôs com coração
Próxima notíciaQual Up tem a sua cara?