Um popular que deu certo!

0
296

CELTA SUPER 2006 R$ 21.540


A palavra-chave no momento é “economia”, seja ela nos gastos do dia-a-dia, seja na escolha do próximo carro. O mercado está propício para quem busca investir em um carro zero ou seminovo. Há quem diga que o melhor negócio é aderir ao chamado “bom e barato”, deixando de lado luxo e conforto. Agora, achar este carro entre tantos no mercado é o grande problema.

Uma boa escolha pode ser o Celta, pois conta com qualidades como baixo consumo, agilidade e ótimo custo/benefício. Além do mais, com a medida do governo federal que reduziu o IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), os preços de veículos 1.0 zero km sofreram uma queda, e, consequentemente, os valores dos seminovos também ficaram mais interessantes.

O Celta já está no mercado há quase nove anos, e, apesar de algumas deficiências, conquistou o consumidor com seu visual, que já passou por uma reestilização, e com seu custo/benefício. Um modelo 2005/ 2006 Super – versão mais completa e já equipada com motor flex custa pouco mais de R$ 21 mil.

No quesito revenda, o Celta não costuma dar muito trabalho, e sofre pouca desvalorização: em um ano de uso, o preço do modelo teve uma queda de apenas 1%, enquanto o Gol desvalorizou 3% e o Palio, 5%. Outro ponto positivo é o consumo. Quando abastecido com gasolina, roda 13,7 km/l na cidade e 18 km/l na estrada, contra 9,8 km/l e 12,2 km/l, quando abastecido com álcool.

Para o proprietário Rafael Almeida, o Celta é, sim, uma boa aquisição. “O carro é bonito e o desempenho é bacana, mesmo sendo 1.0, mas a carroceria leve e pequena, se por um lado o faz andar bem, por outro, o deixa desprivilegiado quando o assunto é espaço interno”. Já para Leonardo Donizetti da Silva, “o carro é excelente, não dá dor de cabeça nem na manutenção nem no consumo”.

Mas tudo tem sem lado negativo, e não é diferente no caso do Celta. O espaço e o acabamento interno realmente são características que deixam muito a desejar, e o porta-malas, de 260 litros, fica abaixo da média. Para Mauro Frison, proprietário da Oficina Frison Tech, “o Celta é um carro que não costuma frequentar a oficina, tem uma manutenção super barata, e o interessante é que, mesmo em caso de serviço de sinistro, por exemplo, este modelo é bem fácil de reparar, o que resulta em baixo custo de mão de obra”.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O acabamento é simples demais, e o contagiros só está disponível em algumas versões. O espaço interno é limitado, mas a dirigibilidade agrada aos proprietários