Vectra GT-X

VECTRA GT / GT-X R$ 60 a 80 mil

A GM estava de “olho comprido” no mercado dos hatches médios. Mesmo tendo o Astra, a Chevrolet queria um hatch puro com traseira de corte rápido, como o Golf. Um carro que o consumidor olhasse e não precisasse de explicações de que aquele era um hatch, como acontece com o Astra. Não queriam ficar de fora desse segmento que, se não é enorme, mesmo assim viria a somar vendas na gama de produtos GM.

E o tal carro não estava longe de ser concebido. Tendo como base a plataforma do novo Vectra, os técnicos do design se basearam nas linhas do já consagrado Astra europeu e enxertaram sua traseira na plataforma do Vectra. Complicado? Aparentemente sim, mas não muito. É como se pegassem um Vectra sedã, cortassem sua carroceria da coluna B (aquela ao lado do banco do motorista) para trás e a partir daí fosse utilizado o design do hatch europeu. Para que as belas proporções do modelo original fossem mantidas, foi preciso uma redução na distância entreeixos, o que obrigou uma redução nas portas traseiras, menores que as do sedã.

Com isso o tempo de lançamento do carro foi bastante reduzido: parte dianteira (com faróis, párachoque e todos os agregados elétricos e mecânicos), motor/câmbio, suspensão, painel de instrumentos, volante, console e todos os detalhes da coluna B para frente do sedã foram mantidos. Os técnicos desenvolveram a estamparia de toda a traseira, incluindo as novas portas, tampa traseira e teto, e o ferramental para produzir os novos párachoques e lanternas.

O painel é igual ao do sedã. O navegador não é incorporado ao painel: fica preso por uma ventosa. Bancos de couro e volante com controle do rádio são exclusivos da versão GT-X, top de linha

Somado ao trabalho da engenharia de campo para acertos de suspensão e calibragem do motor flex 2.0, foram 18 meses para o lançamento da nova versão do Vectra. O marketing optou por dois modelos: GT e GT-X. A primeira versão é mais simples, custando a partir de R$ 60 mil, e a segunda, mais equipada, tem preços que começam nos R$ 70 mil. O motor, único, é o 2.0 Flexpower que produz 128/121 cv (álcool/gasolina) e torque de 19,6/ 18,3 kgfm (álcool/gasolina), e a transmissão automática de quatro marchas será opcional apenas nas versões mais completas, tanto do GT quanto do GTX. O novo hatch será o primeiro nacional que terá navegador GPS de série, apesar do improviso de ser fixado ao vidro através de uma ventosa. Seus concorrentes diretos serão Peugeot 307, VW Golf 2.0 e Citroen C4.

Debaixo do capô, um 2.0 com até 128 cavalos. Gasta menos que o 2.4, mas o desempenho é inferior. A principal vantagem: é o único 2.0 flex deste segmento

COMPARTILHAR
Notícia anteriorChegou o Fiat Punto
Próxima notíciaFrankfurt em tempo real