Veja como conservar o seu carro parado de acordo com o tempo

0
8256

Às vezes, há situações que precisamos deixar nossos carros parados por um período longo de tempo. Você pode até dizer que ‘período longo’ é algo bastante relativo. E é. Para alguns, isso significa um mês, enquanto para outros, essa contagem só começa quando são superados os primeiros 12 meses. Mas quando o assunto é carro, os cuidados são diferentes.

No último caso, os cuidados são bem mais profundos, pois esse período de inatividade pode comprometer profundamente o funcionamento do veículo. Em contrapartida, um mês de inatividade representa bem pouco para o carro e não chega a danificar quase nada.


Vamos falar inicialmente nos carros que ficarão inativos até um mês. A gasolina ou o etanol do tanque perderão um pouco de sua eficiência. Mas nada que dificulte a partida do motor. O ideal é deixar o veículo com o mínimo de combustível e abastecê-lo logo que volte a atividade, nesse caso com combustível novo. O óleo lubrificante não terá tempo de deteriorar, pois o tempo é relativamente curto. Já o líquido de arrefecimento deverá estar com aditivação correta e no nível certo. Preferencialmente, a bateria não deve ter muito mais do que 2 anos de uso, para evitar que descarregue nesse período.

Os cuidados se estendem também aos pneus e a carroceria. No caso dos pneumáticos, o ideal é calibra-los com 40 a 45 lbs/pol², dependendo do peso do veículo. A prática minimiza a deformação dos pneumáticos. A lataria deve ser lavada e, de preferência, encerada. Dependendo de onde o carro ficar estacionado nesse período, deixe pelo menos 2 dedos dos vidros dianteiros abertos para evitar umidade e mal cheiro. Basicamente, é isso.

Seis meses

Agora, se o carro ficar parado por até seis meses, os cuidados deverão ser maiores. Além das recomendações acima, seria bom que se colocasse no tanque a gasolina podium, que tem um tempo de vida útil maior que as outras gasolinas comuns, ou um etanol com aditivo. A aditivação do combustível minimiza a oxidação ou a formação de algum tipo de laca, que pudesse prejudicar o funcionamento posterior do motor.

O lubrificante, certamente deverá ser trocado juntamente com seu filtro, assim que o carro voltar ao seu uso normal. A bateria, nesse período mais longo, deve ser desconectada para evitar que descarregue e se danifique de maneira irreversível. A carroceria deve ter sua pintura polida e encerada e, de preferência, o carro deverá ser coberto por uma capa, que permita ventilação. Isso irá proteger a lataria da poeira que, a longo prazo, danifica a pintura.

Um ano

Se o veículo for ficar parado por mais de seis meses, prepare-se para uma superproteção. Os procedimentos acima deverão ser mantidos e, além deles, outros cuidados adicionais garantirão a conservação de um carro inativo por tanto tempo.

Coloque o mínimo de combustível possível, seja gasolina ou etanol, mas sempre aditivado. É importante que o veículo funcione com o combustível aditivado para que ele chegue a todos os componentes do sistema de alimentação. E esse combustível deverá ser reposto depois que o veículo voltar a funcionar. A pressão alta nos pneus deve ser mantida para evitar deformações futuras. Preferencialmente, o ideal seria que esse veículo fosse colocado sobre cavaletes, dando descanso a suspensão, pneus e rolamento das rodas.

A bateria deverá ser desconectada de seus dois polos e, preferencialmente retirada do seu local original e guardada em outro lugar, seco e fresco. A carroceria, limpa, polida, encerada e coberta com uma capa que permita ventilação. O interior também deverá estar limpo e, preferencialmente, com um desumidificador que se encarregará de tirar a umidade e o mal cheiro.

Aqueles dois dedos de vidro aberto, serão muito bem vindos em um período longo. Agora, se o carro for ficar parado em um local que tenha baratas ou pequenos roedores, esqueça a abertura dos vidros. Senão você corre o risco de seu carro se transformar em um criadouro.

Não há grandes segredos na conservação de um carro que ficará parado por muito tempo, mas seguindo as recomendações acima, os riscos de danos são mínimos e, quando voltar, o máximo que ocorrerá é você ter que comprar uma nova bateria.