Veja como um tanque da 2ª Guerra se tornou o caminhão de bombeiro mais extremo do mundo

Um blindado T-34 foi unido a dois motores do caça a jato Mig-21 para criar uma (muito) eficiente máquina de combate... a incêndios

0
145
Veja como um tanque da 2ª Guerra Mundial se tornou o caminhão de bombeiro mais extremo do mundo
Veja como um tanque da 2ª Guerra Mundial se tornou o caminhão de bombeiro mais extremo do mundo

Problemas extremos muitas vezes exigem soluções que são obtidas com muita criatividade. Um exemplo é o “caminhão de bombeiro” que surgiu a partir do casamento entre um carro de combate T-34 e dois motores vindos de um avião de caça Mig-21.

+ O pai do Fusca também criou um tanque de guerra
+ Preparadora coloca motor Chrysler V8 em clássico jipe soviético
+ Motor Ford V8 ajudou a salvar navios na Segunda Guerra
+ Rezvani Hercules 6×6 é o utilitário para o fim do mundo com base de Jeep Gladiator

O T-34 foi o principal carro de combate da União Soviética na 2ª Guerra Mundial. Equipado com um motor V12 diesel de 500 cv e pesando mais de 26 toneladas, foi o terror das forças alemãs no conflito e segue sendo utilizado até os dias atuais nas forças armadas de países como Vietnã e Coreia do Norte.

Já o soviético Mig-21 é o avião de caça mais produzido da história. Lançado no final dos anos 1950, teve mais de 11 mil unidades produzidas até os anos 1980 e segue em uso até por alguns países europeus, como a Romênia. O avião supersônico utilizou vários motores ao longo da sua vida. Mas a versão 21bis, a última desenvolvida do modelo, utiliza um jato Tumanskiy R25 com 16.535 libras de empuxo, que permite atingir uma velocidade máxima de Mach 2.05.

mig-21
Caças Mig-21 da Força Aérea da Romênia

No lugar da torre blindada, que trazia um canhão de 85 mm em sua variação T-34-85, foi instalado uma nova estrutura com os motores a jato e as mangueiras do sistema de água. O controle do equipamento é feito do lado de dentro do carro de combate.

Embora o T-34 bombeiro tenha sido desenvolvido durante a Guerra Fria como um veículo de descontaminação após um ataque nuclear, a primeira aplicação prática do carro de combate (a incêndios) foi durante a Guerra do Golfo, em 1991, quando foi utilizado por engenheiros húngaros para apagar incêndios em poços de petróleo, provocados pelas forças do ditador Saddam Hussein. (Confira no vídeo abaixo o equipamento em funcionamento).

O princípio de funcionamento do equipamento é simples: os tubos de água são posicionados logo acima do escape dos dois motores. Quando acionados, os propulsores soltam um jato violento, lançando mais de 800 litros de água por segundo sobre as chamas. Ao mesmo tempo, o deslocamento de ar dos propulsores atua da mesma forma que alguém soprando uma vela gigante.

Mais na Motor Show

+ Veja 5 dicas para cuidar da pintura do carro no inverno
+ Caoa Chery anuncia recall do Tiggo 2
+ Peugeot 3008 2022 estreia com novo visual a partir de R$ 229.990
+ Avaliação: Honda CR-V 2021 muda visualmente e nos conteúdos, mas faltou ser híbrido
+ Ingressos para o GP do Brasil 2021 de F1 poderão valer para 2022; entenda
+ Conheça o Ford Escort turbo de fábrica que não tivemos no Brasil

Veja também

+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Baleia jubarte quase engole duas mulheres em caiaque; veja o vídeo
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel