Volvo vai comercializar XC40 apenas elétrico; confira a avaliação

Após dominar o mercado de híbridos plug-in no Brasil, a Volvo lança o XC40 Recharge Pure Electric, primeiro SUV de luxo compacto em versão 100% elétrica – com muito conforto e desempenho digno de carro esportivo

0
10
Volvo XC40
O visual é discreto, mas, com dois motores de 204 cv, o desempenho é brutal

A Volvo revelou nesta quarta-feira (15) que o estoque de XC40 a combustão no Brasil encerrou e, portanto, a partir de agora vai comercializar apenas a versão elétrica do modelo.

Hoje, o XC40 Recharge Pure Electric é o precursor da linha e, no início do ano que vem, a Volvo estreia no Brasil o C40, seu segundo modelo 100% elétrico.

+ Volvo investe R$ 10 mi em carregadores rápidos públicos no Brasil
+ Elétricos: campanha da Volvo mostra carros de outras marcas usando seus eletropostos; assista
+ Volvo XC60 2022 muda visual e recebe novos equipamentos
+ Cinco dias, 126 km e só dois litros de gasolina: Volvo S60 Recharge mostra que híbrido plug-in é o carro ideal


Caminho elétrico da Volvo

O movimento da marca começou em 2017, com o lançamento do XC90 Plug-in Hybrid. Já em 2020, a Volvo passou a ter ao menos um veículo eletrificado em cada um de seus modelos.

No início de 2021, a marca deixou de comercializar veículos somente à combustão, tendo modelos híbridos e elétricos em seu portfólio. E agora para 2022, torna a linha XC40 100% elétrica, o que representará 40% das vendas no Brasil de veículos elétricos.

Confira abaixo a avaliação do XC40 por Flávio Silveira e fotos de Roberto Assunção:

Avaliação: Volvo XC40 vira SUV elétrico com bom custo-benefício e pegada de esportivo

Volvo XC40

Volvo cresceu muito no Brasil por ser pioneira em eletrificação. Seus SUVs foram os primeiros a ganhar ajuda elétrica, e a estratégia deu certo: a marca liderou as vendas de híbridos plug-in (que rodam alguns quilômetros só com eletricidade) no ano passado, e segue na frente este ano. Agora, este Volvo XC40 Recharge Pure Electric marca sua estreia entre os carros totalmente elétricos. Neste caso, a marca não foi tão rápida, e o XC40 não é o primeiro SUV a bateria: a Jaguar tem o I-Pace (leia avaliação), a Audi oferece o e-tron (leia aqui comparativo dos dois), e a Mercedes, o EQC – todos maiores e mais caros.

Mas a Volvo decidiu começar o ataque no segmento de carros 100% elétricos (leia mais aqui) por baixo, então este novo XC40 é o primeiro SUV compacto de luxo desta “nova era dos automóveis” no Brasil. Custa R$ 389.900, um valor bastante atraente considerando que concorrentes como o Mercedes GLA (leia avaliação) e BMW X1 nas versões topo de linha equivalentes custam não muito menos que isso, e vêm com mecânicas tradicionais e bem mais acanhadas: um 1.3 turbo com 163 cv e 250 Nm no primeiro (R$ 325.900) e um 2.0 turbo com 235 cv e 350 Nm no segundo (R$ 294.950). Enquanto isso, este Volvo tem dois motores elétricos que somam nada menos que 408 cv e 660 Nm de torque!

Sleeper

O XC40 elétrico tem um visual até discreto, e, tirando a exótica cor Sage Green (verde sálvia) da unidade avaliada, só a grade dianteira “fechada” e o tímido logotipo na traseira entregam que ele é diferente. Com visual tão comportado e tal mecânica, podemos classificá-lo como sleeper – um daqueles carros que andam mais do que sugere a aparência.

Considerando só o desempenho, este XC40 podia ter entrado no especial de esportivos da edição 441 da MOTOR SHOW: afinal, ele acelera de 0-100 km/h em menos de cinco segundos (mais rápido que a RAM 1500 e quase junto do Mustang Mach 1, ambos com poderosos motores V8) e retoma velocidade de modo igualmente brutal – e sempre linear, pois não há trocas de marcha. Outro cuidado dos engenheiros da Volvo foi aplicar na traseira pneus mais largos, para dar uma “sensação de tração traseira”, embora ela seja integral. Mas, apesar de servir para humilhar outros motoristas na estrada e garantir muita diversão ao volante, não é essa exatamente a proposta deste novo Volvo XC40.

Ao volante, a experiência a bordo começa diferente já na hora de dar a partida. Você entra, procura o botão para ligar o motor e não o acha: basta colocar a alavanca de câmbio em D e sair. Ao chegar ao destino, a mesma coisa: você aperta o P e sai do carro; ele se encarrega de acionar o freio de estacionamento e desligar tudo. Diferentemente de outros elétricos, este Volvo XC40 não emite nenhum ruído, nem mesmo para alertar pedestres. Nas ruas da cidade de São Paulo, o silêncio é quase absoluto: nas ruas mais esburacadas, ouvimos apenas as suspensões fazendo seu trabalho – com algum ruído, mas de modo extremamente eficaz na absorção das irregularidades, garantindo sempre bastante conforto aos ocupantes.

LEIA MAIS SOBRE CARROS ELÉTRICOS E HÍBRIDOS:
+Primeiro elétrico da Fiat, 500e chega ao Brasil por R$ 239.990
+Carro elétrico traz vantagens, mas não é solução mágica
+Avaliação: Hyundai Ioniq 5, um elétrico incrível, é verdadeira revolução coreana
+Teste de consumo: Corolla Cross Hybrid vs. Corolla Cross 2.0
+Audi e-tron vs. Jaguar I-Pace: os SUVs elétricos que adiantam o futuro
+Carros elétricos mais vendidos do Brasil em 2020: confira o ranking
+Avaliação: Mercedes-Benz EQA, o GLA elétrico que chega ao Brasil em breve
+Avaliação: Volkswagen ID.4 é o Taos do futuro (e já chegou)

Ao aliviar o pé do acelerador, o Volvo XC40 perde velocidade lentamente, aproveitando ao máximo a inércia de seus consideráveis 2.118 quilos – cerca de 500 a mais do que na versão híbrida, já que as baterias ainda são muito pesadas. Mas uma configuração muda totalmente a experiência ao volante: na tela central, é possível acionar a “direção com um só pedal” – talvez o melhor sistema de todos os elétricos que já testei. No começo, é meio desconfortável, pois ao tirar o pé do acelerador o carro freia meio bruscamente – parece até um carrinho bate-bate. Mas, depois de pouco tempo, você se acostuma e aprende a dosar melhor o pedal.

E este sistema ajuda a poupar os freios: mesmo em descidas fortes, ao tirar o pé do acelerador o carro freia; é até curioso que, às vezes você está em um declive, mas precisa acelerar um pouco para o carro não parar – e, ainda assim, o painel indica que está recuperando energia (mesmo no modo normal, normalmente “frear” é acionar o “modo gerador” – raramente as pastilhas e os discos entram em contato). A princípio, estranhei o Volvo XC40 elétrico não ter botão para acionar um sistema auto hold do freio do estacionamento. Mas basta parar o carro, na subida ou na descida, e tirar o pé do freio que ele não sai do lugar até você acelerar novamente.

Claro que tanta potência, como nos carros à combustão, resulta em consumo maior. Enquanto elétricos compactos como o Renault Zoe fazem 8 km/kWh na cidade, o XC40 fez uma média de 4,5 km/kWh – superando 5 km/kWh só em situações mais favoráveis (pista plana, anda-e-para, máximas de 50 km/h).

Depois de recarregar a bateria, partimos para uma viagem a Campinas. Os teóricos 400 quilômetros de autonomia seriam mais do que suficientes para ir, voltar e circular por lá. Mas o consumo rodoviário dos elétricos é mais alto (o oposto dos carros a combustão). Circulando a 120 km/h na Rodovia dos Bandeirantes, com algum trânsito, a média foi de 4 km/kWh – uma autonomia de menos de 300 km, considerando a capacidade da bateria. Curioso que ele não arrisca dizer o alcance no computador de bordo: mostra só a carga – e, o que é legal, com quanto dela você chegará ao destino colocado no GPS.

Sem ter onde carregar o Volvo XC40 facilmente no destino, voltamos com a mesma carga. Nos 100 quilômetros da ida, ele havia consumido 35% da bateria. Na volta, com a estrada mais livre e desfrutando dos 408 cv sem dó, passando frequentemente do limite de velocidade, a média foi de apenas 3 km/kWh. Assim, cabamos gastando metade da carga total, chegando a São Paulo com apenas 15% – abaixo dos 20%, ele passa a indicar pontos públicos de recarga e mostrar a autonomia (no caso, dizia que ainda podia rodar 50 quilômetros).

O sistema de direção semiautônoma da Volvo é um dos melhores do mercado

Dá um Google

Volvo XC40
A cabine tem o mesmo design geral das demais versões, com bastante luxo e uma grande tela vertical que lembra um tablet.

Dentro da cabine, o novo Volvo XC40 elétrico não faz questão de revolucionar. Tudo lembra as versões híbridas – incluindo a boa oferta de sistemas semiautônomos, que vão de alerta de mudança de faixa a frenagem automática, passando pela leitura de placas e a incrível e eficiente condução semiautônoma (funciona na cidade e na estrada, mas não se pode tirar a mão do volante por muito tempo). Há muito luxo, com som Harman Kardon (13 alto-falantes), faróis direcionais, câmera 360o, bancos de (bom) couro sintético com ajuste de comprimento do assento e teto panorâmico. Mas os adultos que viajam atrás sofrem um pouco com o banco baixo/assoalho alto: os joelhos ficam altos, e as pernas cansam em viagens mais longas.

O mapa no multimídia, agora em tela cheia: ele indica com quanta carga você chegará ao destino selecionado

A grande novidade a bordo aparece no sistema multimídia e de funções/configurações do carro. Substituindo o antigo Sensus, aparece o Android Automotive – diferentemente do Android Auto, que usa o celular como “intermediário”, é totalmente integrado ao carro. É o que permite mostrar a carga prevista na chegada na tela do Google Maps, assim como exibir seu mapa no quadro de instrumentos digital – com 12 polegadas e design clean e belo, mas poucas opções de visualização – e fazer coisas como mudar a temperatura do ar-condicionado usando o comando “Ei Google”, além de instalar aplicativos como YouTube Music, Spotify, etc, diretamente no carro (os dados são liberados, pagos pela Volvo, pelos primeiros quatro anos de uso).

Volvo XC40

Gostou? Vai ter que entrar na fila, pois as primeiras 450 unidades destinadas ao Brasil já foram vendidas. O preço será mantido até o fim do ano e dá direito a um wallbox em casa (o que equivale a uns R$ 12 mil), mas, reservando o seu agora, deve recebê-lo só em janeiro ou fevereiro. Mas o carro é incrível, e vale a espera!

Raio-X do Volvo XC40: receita consolidada

Com um motor em cada eixo e bateria sob
o assoalho, a distribuição de peso é perfeita.
O carregamento é feito pela parte traseira

Assim como no Audi RS e-tron GT e em outros elétricos com tração integral, o Volvo XC40 Recharge Pure Electric usa um motor por eixo. São duas unidades de 204 cv e 330 Nm, que no Volvo se somam totalmente. O resultado impressiona, com 0-100 km/h em 4,9 segundos em absoluto siIêncio e em uma “pancada” só, já que há só uma “marcha”. As rodas traseiras mais largas são para ajudar a dar a sensação de tração traseira (“empurado, não puxado”). A bateria de 78 kWh garante autonomia de até 400 quilômetros no uso urbano ou cerca de 300 na estrada – mas o resultado depende de você querer (ou não) usar toda a potência.

Volvo XC40 Recharge Pure Electric

Preço básico R$ 389.950
Carro avaliado R$ 389.950

Motor: elétricos, um dianteiro e outro traseiro, síncronos
Combustível: a bateria
Potência: 204 + 204 cv = 408 cv de 4.350 a 18.900 rpm
Torque: 330 + 330 Nm = 660 Nm
Câmbio: automático, caixa redutora fixa
Direção: elétrica
Suspensões: MacPherson (d) e multilink (t)
Freios: disco ventilado (d) e disco (t)
Tração: integral
Dimensões: 4,425 m (c),1,863 m (l), 1,647 m (a)
Entre-eixos: 2,702 m
Pneus: 235/45 R 20 (d) e 255/40 R20 (t)
Porta-malas: 413 litros (t) + 31 litros (d)
Bateria: íons de lítio, 78 kWk
Peso: 2.118 kg
0-100 km/h: 4s9
Vel. máxima: 180 km/h (limitada)
Consumo cidade: 4,5 km/kWH (teste)
Consumo estrada: 4 km/kWh (teste)
Consumo médio: 4,1 km/kWh (oficial, WLTP)
Emissão de CO2: zero g/km
Consumo nota: A
Autonomia: 418 (WLTP)
Tempo de recarga: 72 horas (tomada comum) – 7h (wallbox 11 kWh) – não aceita AC 22 kW – 13h (wallbox 7,2 kWh) – 120 min (DC 50 kW, 0-80%) e 40 min (DC 150 kW, 0-80%)
Nota do Inmetro: A*
Classificação na categoria: A* (SUV Grande)

MAIS NA MOTOR SHOW:

+ Qual é a melhor versão do Jeep Compass 2022?
+ Conheça os detalhes do Volkswagen Fox com seis rodas e três eixos
+ Avaliação: RAM 1500 acelera forte, mas não faz sentido
+ Comparativo de SUVs: Jeep Compass vs. VW Taos e Toyota Corolla Cross
+ Fiat Pulse fica mais caro em todas as versões; veja o reajuste
+ Veja os 10 países mais caros para se comprar e manter um carro
+ Peruas usadas valorizam acima da média; confira o top 10
+ Lembra do Astra? Conheça o modelo 2022, que acaba de sair na Inglaterra
+ Avaliação: Hyundai Creta 2022 arrisca no visual, mas se destaca pelo motor
+ Avaliação Citroën AMI: elétrico cotado para o Brasil não precisa de CNH
+ Segredo: o SUV da Fiat com base de Peugeot que dá pistas sobre o novo Jeep Renegade
+ IPVA 2022: saiba como parcelar o imposto em até 12 vezes