VW Taos: SUV anti-Jeep Compass terá motor 1.5 e transmissão de sete ou oito marchas (mas não no Brasil)

Previsto para o mercado brasileiro no primeiro semestre do ano que vem, novo SUV médio VW Taos chegará ao Brasil com mecânica defasada – o conhecido 1.4 turbo com câmbio automático de seis marchas

VW Taos

O novo SUV médio VW Taos foi exibido hoje, ainda com disfarces, à imprensa especializada. Sem grandes surpresas em relação ao que previmos, quando o SUV ainda se chamava “projeto Tarek”, ele terá no Brasil e na Argentina uma mecânica bem inferior àquela que será oferecida nos EUA — onde será oferecido, como anunciado hoje, com uma versão mais moderna do motor EA211, mais potente e mais econômica que a nossa.

O modelo pode ser considerado no Brasil como o primeiro grande adversário – de fato, com mesmas medidas e posicionamento de preços – do imbatível (?) Jeep Compass. O novo SUV será fabricado na fábrica de General Pacheco, na Argentina, com entregas a partir do primeiro semestre do ano que vem, resultado de um investimento de US$ 650 milhões na região. Em 13 de outubro, a aparência definitiva do carro será mostrada ao mundo.

O QUE NÃO TEREMOS

Nos Estados Unidos, a marca anunciou hoje, simultaneamente com a apresentação do carro disfarçado, que o VW Taos a ser comercializado por lá terá características mecânicas bem melhores que as do “nosso”: um motor 1.5 de 160 cv em uma versão de tração dianteira com câmbio de oito marchas e uma de tração integral e câmbio de dupla embreagem e sete marchas.

Apesar do motor 1.5 ter cilindrada maior e ser mais potente do que o 1.4 EA211 do Jetta e do Tiguan, ele será mais eficiente no uso de combustível. Isso porque terá usará o ciclo Miller, no qual as válvulas de admissão são fechadas no início do ciclo de admissão para ajudar na economia de combustível. Para um motor turboalimentado, tem uma taxa de compressão alta, de até 11,5:1. Veja aqui como o “primo” da Skoda se saiu nos testes de consumo e desempenho contra o Jeep Compass turbinado.

Outra novidade do motor é o uso de uma turbina de geometria variável, um item que é raríssimo em modelos a gasolina. Mais eficiente, ele fornece maior pressão. Falando em pressão, a injeção de combustível será a até 350 bar, produzindo melhor atomização da mistura ar/combustível e menor tempo de injeção, além da formação de mistura otimizada e menor emissão de partículas.

Este motor 1.5 turbo será acoplado a uma sofisticada transmissão automática com oito velocidades na versão com tração dianteira (com modo Sport). Já os modelos AWD, com tração integral, terá uma transmissão automática DSG de dupla embreagem de sete velocidades. Mas, infelizmente, o Brasil mais uma vez ficará para trás.

O QUE TEREMOS

Aqui na América do Sul, porém, segundo a apresentação da marca teremos apenas a já conhecida mecânica nacional 1.4 TSI com câmbio automático convencional de seis velocidades e tração apenas dianteira já usados nos modelos T-Cross, Jetta e Polo/Virtus GTS (o Tiguan Allspace, feito no México, tem uma caixa automática DSG, de dupla embreagem, também de seis marchas), . Uma opção feita por questões de custos, e que nos deixará, mais uma vez, defasados em relação às melhores tecnologias que são oferecidas no resto do mundo.

A suspensão traseira do Taos será do tipo multilink, enquanto o rival Jeep Compass usa McPherson nos dois eixos. A marca ainda anunciou ainda que o modelo de nossa região terá, como não poderia deixar de ter, os sistemas ACC (piloto automático adaptativo) e a central multimídia “local” VW Play. Na lista de equipamentos, por enquanto, a única novidade em relação aos irmãos SUV será o alerta de tráfego cruzado (alerta, ao se dar ré, se há carros se aproximando).

O SUV

O VW Taos faz parte da “ofensiva SUV”, começada em 2017, entrando em segmentos nos quais a marca não competia. Depois de anos de uma inexplicada letargia, a marca enfim planejou sua tardia ofensiva de SUVs, que foi iniciada por Tiguan Allspace e seguida de T-Cross e Nivus. O Taos usará a mesma plataforma MQB deles – e também da dupla Polo/Nivus e ficará “entre os SUV mais vendidos do mercado”, diz Pablo Di Si, presidente e CEO da Volkswagen Brasil e Argentina.

Segundo dados mostrados pela marca na apresentação, os SUVs são hoje 36% do mercado global. Chega a 49% nos EUA, 35% na Europa. No Brasil, ainda está em 22%, com tendência de alta. Em 2025, a Volkswagen pretende ter 30 SUV no mundo, e os SUVS dela e de outras marcas, juntos, devem chegar a 37% de participação no mercado.

 

 

 

Veja também

+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA

+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA

+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos

+ Tomografia revela que múmias egípcias não são humanas

+ Homem compra Lamborghini após fraude em auxílio emergencial

+ Restaurar um carro: quanto custa e quanto ele pode valorizar